O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Educação como caminho para uma sociedade inclusiva

No Dia Nacional dos Direitos Humanos, especialista fala da importância da educação para uma sociedade cada vez mais inclusiva

Quando olhamos para a história da humanidade e para o seu desenvolvimento, percebemos o encontro da espécie humana com dilemas, conflitos, realizações, conquistas que nos levam a fazer uma pergunta, principalmente devido à pandemia de covid-19: somos seres mais inclusivos ou excludentes?

Esse binômio, inclusão versus exclusão, precisa ser debatido na atualidade com educadores, pesquisadores, estudantes, famílias, gestores e políticos, visto que a educação, em uma perspectiva inclusiva, ultrapassa qualquer processo de escolarização e está atrelada ao viver em sociedade.

Pesquisadores no seu fazer conceituam que, quando enfatizamos a necessidade de incluir, há o reconhecimento de situações de exclusão, como já foi também expresso por Mônica Pereira dos Santos, doutora em Psicologia pela Universidade de Londres, no livro “Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas” (Cortez Editora).

 

Descrição: Alunas e alunos uniformizados estão sentados em sala de aula e fazem gestos da Língua Brasileira de Sinais. Fim da descrição.
Foto: Pedro Noronha. Fonte: Instituto Rodrigo Mendes.

Analisar e identificar as ambiguidades e complexidades entre as expressões “inclusão” e “exclusão” significa dizer que esses termos devem romper as fronteiras acadêmicas e as ações isoladas defensoras dos processos inclusivos para pessoas com deficiência.

Apesar de sua potência nas políticas públicas, nas propostas curriculares, nos espaços de convivência social, essas nuances devem ser superadas e ressignificadas por se referir a pessoas. Até porque inclusão é envolvimento, é interação, é participação plena das decisões desenvolvidas em qualquer espaço social, desde a nossa convivência familiar até as escolhas feitas por nós em ambientes nos quais estamos inseridos.

Saiba mais 

+ Como as famílias podem atuar a favor de uma educação de qualidade
+ Professora de AEE inicia projeto para autonomia de estudante surdocega 

Desafios práticos para a inclusão

Para além da complexidade e ambiguidade das expressões citadas acima, falar sobre o tema é algo dialético e subjetivo. Às vezes nos deparamos com situações contribuidoras para eliminar qualquer barreira prejudicial à interação de sujeitos, propiciando inclusão. Ou, então, vimos sutilmente (e até demasiadamente) acontecimentos intensificadores da exclusão.

Nesse sentido, dois exemplos exprimem um pouco desses incidentes. O primeiro caso foi em uma palestra com discentes que atuam especificamente com estudantes público-alvo da educação especial. No término da explanação de ideias, ao falar do quanto o lúdico propicia inclusão no espaço escolar, uma professora expôs a sua opinião, dizendo: “pessoas portadoras de deficiência devem ter um espaço para elas. O tempo de aprender é diferente, e nós nunca fomos preparamos para lidar com essas crianças especiais”.

O segundo caso é de um estudante com deficiência do curso de pedagogia, ao tentar ingressar em uma escola de educação infantil para realização de estágio, ouviu da coordenadora: “como você é um ser especial, já pensou em fazer estágio em espaços especiais? Lá você pode conseguir. Aqui não dá, as famílias ainda têm muito preconceito”.

É importante elucidar que portamos a chave de um carro, um livro, um celular, mas as pessoas com deficiência não portam uma deficiência, pois em nenhum momento da vida vão conseguir abandonar ou alterar a sua deficiência. Se desejamos ser mais inclusivos, precisamos reconhecer falas e expressões nada colaborativas para a inclusão. O correto é dizer, escrever, mencionar “pessoa com deficiência”.

O argumento de que pessoas com deficiência são especiais, ou que possuem necessidades especiais, até o presente momento, é empregado em algumas políticas públicas e artigos científicos. Mas, diante do nosso olhar, afirmamos que qualquer indivíduo é especial e necessidade todos nós temos em algum momento.

A própria Lei Brasileira de Inclusão (LBI) destaca que a valorização da pessoa como indivíduo deve estar acima de tudo, independentemente das características físicas, sensoriais, intelectuais, visuais e auditivas.

Se incluir é um processo diário, reconheçamos as expressões excludentes, rotuladoras, discriminatórias para, assim, construir uma cultura mais inclusiva, e a linguagem é um caminho.

Educação transformadora

Lidar com dificuldades de aprendizagem é um desafio a ser trabalhado e, atrelado a isso, é necessário transformar certas crenças ultrapassadas ou preconceitos. Educadores e gestores devem criar práticas inclusivas e transformadoras em sala de aula.

O comportamento dos estudantes é resultado do contexto onde estão imersos, principalmente na reprodução da vida cotidiana e familiar, ou até mesmo por não saberem lidar com os seus medos e frustações. Por isso, a ideia é que professoras e professores contem histórias, brinquem, criem um espaço em que todas e todos se sintam acolhidos, seguros e confiantes para, assim, reelaborarem suas histórias e construírem um mundo melhor para todas e todos.

Viver a intensidade da vida, não importando o espaço ocupado, significa reconhecer as inclusões e exclusões que fazem parte da identidade humana.

Se incluir é um processo, valorizemos cada atitude, expressão e conquista como elo para quebrar ações excludentes, sobretudo aquelas bem sutis as quais jamais pensamos. Logo, a educação transforma humanos, e nesse caminhar devemos estar sempre prontos para nos modificar, criar, brincar e imaginar.

Leia mais 

+ A importância da reformulação curricular para uma educação antirracista
+ Mandalas de chão: crianças aprendem com a natureza 


Jonathan Aguiar é doutor e mestre em educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pesquisador científico do Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação (LaPEADE) da UFRJ. 

Este artigo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Instituto Rodrigo Mendes.   

©️ Instituto Rodrigo Mendes. Licença Creative Commons BY-NC-ND 2.5. A cópia, distribuição e transmissão dessa obra são livres, sob as seguintes condições: você deve creditar a obra a seus autores, licenciada por Instituto Rodrigo Mendes e DIVERSA. 

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: