Educadoras desenvolvem material para aprendizagem de Libras durante ensino remoto

Professoras municipais confeccionaram material pedagógico acessível para estudo da língua portuguesa e da Libras por estudantes do ciclo de alfabetização

Somos educadoras da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Prof. Fernando Nepomuceno Filho, localizada no município de Peruíbe (SP). Em 2020, a turma do 1º ano A do ensino fundamental era composta por 22 alunos. Dois têm deficiência: um com Transtorno do Espectro Autista (TEA); e o outro, deficiência auditiva.

A turma era bastante agitada, característica esperada para crianças de 6 anos. Alguns alunos chegam à escola, que atende apenas as séries iniciais, necessitando de um trabalho para o seu desenvolvimento psicomotor. Em geral, não estão alfabetizados e gostam muito de brincar.

 

Leia mais
+ Aprendizagem das crianças: o brincar como experiência educativa

Identificando barreiras

Ao longo do ano letivo, identificamos uma barreira comunicacional entre o aluno com deficiência auditiva e a equipe escolar. Ele só se comunicava por Libras e os integrantes da equipe escolar não conheciam essa linguagem.

Agravando essa barreira, o período de isolamento por conta da pandemia da covid-19 trouxe novos desafios. A escola tem usado as redes sociais como principal canal de comunicação e muitas famílias não têm familiaridade ou mesmo acesso aos dispositivos necessários.

Saiba mais
+ Diálogos e afetos em tempos de pandemia
+ A educação de estudantes com deficiência em tempos de pandemia
+ Escola reúne comunidade para produzir telejornal sobre ciberbullying

Material pedagógico acessível como alternativa

Visando eliminar a barreira identificada, decidimos elaborar um material pedagógico acessível (MPA) para promover, de maneira lúdica, a construção de saberes das crianças dos diferentes anos e, em destaque, dos alunos dos 1ª anos.

A ideia era proporcionar o acesso à Libras e à língua portuguesa de maneira simultânea, além de promover o desenvolvimento das funções executivas como planejamento, organização, flexibilidade cognitiva.

Em sala de aula, estudante utilizando máscara utiliza o material pedagógico acessível. O menino imita uma figura do painel, gesticulando para o nariz. Fim da descrição.

Jogo da memória para o acesso à Libras

Para atender ao nosso objetivo, optamos pela construção de um jogo de memória com diferentes categorias semânticas, associadas a formas geométricas. As cartas contemplam a Língua portuguesa e Libras, visando aumentar o repertório vocabular da turma.

As categorias semânticas (animais, profissões e lugares de vivência) foram pensadas com base no que estava sendo trabalhado com a turma e em seus conhecimentos prévios.

Entre as competências a serem trabalhadas estavam: agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

Conheça outros materiais pedagógicos acessíveis desenvolvidos por educadores
+ Tabuleiro de RPG
+ Painel de adivinhação
+ Caixa Silábica

Além disso, exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade. Isso para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

+ Saiba como o Jogo da Memória se articula com a BNCC
+ Aprenda a construir o Jogo da Memória

Desenvolvimento do material

Desde a ideia inicial até a concretização do jogo, houve muita articulação da equipe, aproveitando os conhecimentos e potencialidades de cada uma das educadoras, para executar as demandas que iam surgindo.

Somos uma equipe que conversa bastante, discute as opções e compartilha ideias. A cada descoberta, o grupo se tornava mais entusiasmado e se desenvolvia em conjunto. Os saberes trocados durante a formação Materiais Pedagógicos Acessíveis foram essenciais para composição do projeto.

Além disso, ao longo do desenvolvimento do recurso, pudemos utilizar uma das mais ricas estratégias didáticas que é a observação da interação das crianças, mesmo que tenha ocorrido de maneira remota. Por meio dessa análise, é possível perceber as potencialidades e fragilidades de cada um, de forma a direcionar os passos e promover avanços.

Material pedagógico acessível escrito "Jogo da memória" em rosa" na parte superior. O jogo é composto por um painel branco e placas na cor azul; algumas possuem desenhos de triângulos, círculos e quadrados. Fim da descrição.

O desafio das aulas remotas

A criação do MPA e as reflexões no processo formativo ampliaram nossa visão sobre a necessidade da elaboração de propostas pedagógicas inclusivas e acessíveis a todas e todos.

Por conta do período de fechamento das escolas, buscamos aproximar os alunos do estudo da Libras adaptando todos os conteúdos e compartilhando via rede social. Enviamos vídeos de contação de história, experiências, culinária, construção de brinquedos com material reciclável e vídeos instrucionais.

Embora o MPA tenha sido construído para trabalhar presencialmente, explorando bastante as palavras contextualizadas e a Libras com a mediação da professora e intérprete, o grupo estabeleceu um cronograma de circulação do jogo na casa dos estudantes.

Disponibilizamos um guia das palavras com a tradução em Libras, para que os estudantes pudessem previamente ter contato para aprender e memorizar os sinais. Todas as orientações e acompanhamento sobre a aplicação do jogo foi realizada por meio do WhatsApp.

Aproximando a escola das famílias

Por conta do isolamento social, não houve como proporcionar uma participação mais ativa dos estudantes no processo de criação do jogo. Mas a maior parte das famílias se mostrou muito receptiva para aplicá-lo em casa.

O material foi enviado (higienizado) para a casa de cada aluno e vimos que isso também foi um meio de aproximar as famílias da escola. Elas apresentaram um retorno muito positivo sobre o projeto e auxiliaram de forma muito engajada na mediação com os estudantes.

Em casa, estudante aperta botão de dado eletrônico enquanto sorri. Sua mãe o auxilia. Ao fundo, painel de Jogo da memória. Fim da descrição.

As tecnologias e as aprendizagens

Este tem sido um momento muito difícil, mas de profundas reflexões que acreditamos ser positivas em todos os sentidos. Pudemos perceber que somos capazes de eliminar barreiras. Mesmo à distância, é possível construir um projeto com essa grandeza e riqueza.

A tecnologia ainda é um grande desafio para os educadores, mas é possível se desafiar a sair da zona de conforto. Ao longo de todo processo, percebemos o leque de possibilidades que temos à nossa disposição e o acionamos em prol de uma aprendizagem significativa.

Leia mais
+ O uso de tecnologias para educação de todas e todos
+ Educador cria blog para aulas de educação física no ensino remoto
+ Professoras relatam impactos positivos das aulas remotas

Embora tenhamos inúmeros entraves, podemos utilizar a tecnologia como aliada para possibilitar uma educação para todas e todos. Estamos certas de que esse período de transformações trará coisas boas para se lembrar.


Este relato de experiência é fruto da participação das autoras na edição 2020 do Materiais pedagógicos acessíveis – formação em serviço para educadores envolvidos no processo de escolarização de estudantes público-alvo da educação especial em escolas comuns.

A edição de 2020 do projeto foi realizada pelo Instituto Rodrigo Mendes e o MudaLab, com a parceria do Credit Suisse Hedging Griffo e do Instituto Península, e apoio da AT&T e Abadhs com objetivo de contribuir na construção de materiais pedagógicos acessíveis que auxiliem o processo de ensino-aprendizagem de estudantes com e sem deficiência.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: