Estudantes brincam e desenvolvem oralidade com Fogão musical

Material idealizado para eliminar barreiras de comunicação permite que estudantes da educação infantil se divirtam e estudem alimentação saudável

Somos educadoras da UME Almerinda Monteiro de Lobato, uma das escolas mais antigas do município de Cubatão (SP). A escola possui uma estrutura física boa e conta com uma área ao ar livre muito arborizada, tendo a presença de animais silvestres, como o saruê, um gambá típico da região.

Em 2019, uma das salas de infantil I, que corresponde a faixa etária de 4 a 5 anos, tinha cerca de 18 estudantes muito interessados e participativos. Maurício era um deles, um aluno com Síndrome de Down, que falava e andava muito pouco, mas era muito alegre e gostava de frequentar a escola.

Diante das dificuldades que Maurício apresentava para participar das atividades, decidimos criar um jogo que eliminasse as barreiras de comunicação e possibilitasse a plena interação entre os estudantes da turma.

Predileção por música

Percebemos ao longo das aulas que os trabalhos com música despertavam interesse em toda a turma. O grupo musical Palavra Cantada era o que mais motivava Maurício, principalmente a música Sopa do Neném. Sendo assim, resolvemos montar um jogo que trabalhasse com a música em questão.

Estabelecemos diálogo com a professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e outras pessoas da comunidade escolar para a elaboração da proposta: pretendíamos beneficiar o aprendizado de todos os estudantes.

Em sala de aula, de frente para o fogão musical, estudante com Síndrome de Down e professores batem palmas. Fim da descrição.

O processo de criação foi longo e bastante desafiador, uma vez que a prática da cultura maker, ou seja, do “faça você mesmo”, é muito distante da nossa realidade em Cubatão. Discutimos bastante até chegarmos no formato real do nosso jogo.

Inicialmente, pensamos em um painel sonoro, mas o projeto só ganhou forma quando idealizamos o Fogão musical, material construído com tecnologia de corte a laser e de eletrônica básica.

O que que tem na sopa do neném?

O material pedagógico acessível, composto por um fogão de MDF, possui seis botões que representam as seis estrofes da canção. Em cada um deles está gravado um dos elementos cantados na música “Sopa do neném”, sendo a maioria alimentos saudáveis. Os áudios foram feitos com as vozes dos próprios alunos, deixando o jogo ainda mais com a carinha deles.

Em sala de aula, aluno manuseia um dos botões do fogão musical, enquanto é observado por professora. Fim da descrição.

+ Aprenda a construir o Fogão musical

Com o material, objetivamos criar um jogo para desenvolver oralidade, socialização, concentração, e memorização em todos os estudantes. A ideia era fazer a associação dos elementos cantados com os alimentos concretos.

À medida que os elementos são cantados, as crianças devem, em grupos, pegar o objeto real em sala e colocá-lo dentro da panela, que está  em cima do fogão.

As palavras da música podem ser escolhidas na sequência ou aleatoriamente para tornar as crianças mais atentas à sequência musical. Os áudios gravados também podem ser alterados, aumentando os desafios para a turma.

As disciplinas que estão envolvidas no jogo são linguagem oral e escrita, matemática e saúde. Com ele, conseguimos trabalhar a oralidade e também o estímulo à escrita das palavras, além da alimentação saudável.

+ Saiba como o material se articula com a BNCC

Será que tem aprendizado?

Após finalizarmos a construção do Fogão musical, preparamos as atividades em sala de aula. A professora apresentou aos alunos primeiramente a música, que foi tocada em vários momentos da rotina escolar para que todos se familiarizassem com ela.

O próximo passo foi trabalhar com as ilustrações de cada elemento apresentado na música: tomate, agrião, espinafre, feijão, agrião etc. O intuito também foi que os estudantes conhecessem um pouco mais sobre alimentação saudável.

Após o estudo prévio, chegou o tão esperado dia de apresentação do material. As crianças ficaram eufóricas, pois o fogão chamou muita atenção. Deixamos que elas vissem e mexessem nos botões para entenderem o funcionamento.

Depois desse primeiro momento, começamos nosso jogo. Os objetos foram apresentados em sua forma real e não mais em ilustrações. Levamos mandioca, agrião, feijão, sabão em pó e muito mais, o que os deixou mais interessados ainda, já que muitos não conheciam alguns alimentos.

Foi um sucesso

Mauricio teve uma participação maior quando levamos os alimentos reais, o que, para nós, professoras, foi algo maravilhoso, pois conseguimos fazer com que ele estivesse em roda, participando com todos os estudantes.

No geral, o jogo foi um sucesso, todos aprenderam muito e também se divertiram bastante. Com certeza no próximo ano daremos sequência a este trabalho, que foi tão adorado por todos.

Em sala de aula, estudantes em roda sentados no chão observam aluno manuseando fogão musical, enquanto duas professoras supervisionam a atividade. Fim da descrição.


Este relato de experiência é fruto da participação dos autores na edição 2019 do Materiais pedagógicos acessíveis – formação em serviço para educadores envolvidos no processo de escolarização de estudantes público-alvo da educação especial em escolas comuns, desenvolvida pelo Instituto Rodrigo Mendes em parceria com a Fundação Lemann. O objetivo é contribuir na construção de materiais pedagógicos acessíveis que auxiliem o processo de ensino-aprendizagem de estudantes com e sem deficiência.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: