Participação e autonomia são alvos de diálogos pedagógicos inclusivos

Organizar propostas e diálogos pedagógicos com estratégias inclusivas é um grande desafio para profissionais de educação e para sociedade como um todo, ainda mais em tempos de pandemia.

Qual é o papel do professor na mediação de estudantes com e sem deficiência para a inclusão de todos? Como acolher de maneira efetiva alunas e alunos, derrubando barreiras de acessibilidade, principalmente as atitudinais? Os educadores devem levar em consideração a autonomia e a participação do estudante no desenvolvimento de práticas inclusivas.

Conheça os cenários e suas variantes no acolhimento de estudantes com deficiência na prática pedagógica, desde a rejeição até a influência, passando pelas etapas de inclusão efetiva.


Este artigo completo foi publicado no site do Instituto Paradigma e está disponível para leitura em https://bit.ly/3sU5NJH.

Luiza Russo é mestre em pedagogia e em psicologia da educação diretora executiva do Instituto Paradigma e pedagoga. Sua carreira profissional foi compartilhada entre a atuação acadêmica como professora universitária e a ação empreendedora na área social.

©️ Instituto Rodrigo Mendes. Licença Creative Commons BY-NC-ND 2.5. A cópia, distribuição e transmissão dessa obra são livres, sob as seguintes condições: você deve creditar a obra como de autoria de Alexandre Moreira e licenciada pelo Instituto Rodrigo Mendes e DIVERSA.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: