Interesse por culinária auxilia adolescente em seu desenvolvimento

As aulas de gastronomia e o projeto de canal no Youtube contribuem para Maria Fernanda ter melhores resultados de desenvolvimento e aprendizagem

Mafê posa para foto atrás de bolo de aniversário

Somos os pais da Maria Fernanda, uma adolescente de 12 anos que tem um canal no Youtube sobre gastronomia, o Cozinhando com Mafê. Seu interesse pela arte de cozinhar surgiu após sua matrícula em um curso de férias em 2018, com a Chef Andrea Carlana, na Raízes Escola de Culinária Saudável, em São Paulo.

A partir disso, encontramos na gastronomia uma grande oportunidade de dar condições à Mafê de aprimorar aspectos cognitivos, sociais e emocionais, de forma lúdica e prazerosa. Um trabalho muito alinhado entre família, terapeutas e equipe escolar.

A aposta em altas expectativas

Ao nascer, Maria Fernanda foi diagnosticada com Atraso Global do Desenvolvimento, além de outras questões físicas. O prognóstico era de que não teria grandes avanços motores e cognitivos, o que dependeria dos estímulos que recebesse. Não consideramos essas hipóteses como definitivas e investimos todo nosso tempo, dedicação e amor para garantir que ela pudesse conquistar seu espaço.

Seu crescimento foi acompanhado por especialistas diversos da área da saúde, como neurologistas, ortopedistas, geneticistas, entre outros. Quando ingressou no ambiente escolar em 2011, ela se deparou com os desafios da aprendizagem e das relações socioafetivas, pois era a primeira vez que estava sendo avaliada pelas condições e capacidades neurológicas.

Muitos problemas apareceram nesse momento. Percebemos que a escola era “conteudista” e que o ritmo e necessidades de aprendizagem de Mafê poderiam ser melhor respeitados. Nessa época, também optamos por investir em estímulos e terapias de fonoaudiologia, psicologia e psiquiatria.

Leia artigos do DIVERSA sobre o tema
Laudo médico: clássico entrave para apostas em altas expectativas
+ Escrita e alfabetização de crianças com transtorno do espectro autista (TEA)
+ Como oportunizar o acesso de alunos com Síndrome de Asperger ao ensino superior

Em 2015, Maria Fernanda mudou para a Escola Caminho Aberto (CAMB), em São Paulo. Com base teórica e metodológica construtivista, a nova escola possibilitou que mais estímulos e diferentes recursos fossem considerados para sua participação e aprendizagem. Desde a adaptação de materiais, provas assistidas, acompanhamento e treino parental, tudo para que pudéssemos aparar todas as arestas e garantir que ela tivesse condições adequadas de acessar os conteúdos, aprender e se desenvolver.

Ela teve um progresso fantástico, um ganho significativo em sua aprendizagem. Porém, havia ainda a necessidade de trabalhar a reabilitação neurocognitiva, em busca da fluidez do pensamento. Além disso, em 2017, ela fez uma avaliação neuropsicológica, pois havia suspeita de algum tipo de transtorno, e ficou realmente constatado e diagnosticado o Transtorno Opositor e Desafiador (TOD), o que nos fez identificar mais desafios.

Leia outras produções do DIVERSA sobre o assunto
+ Professora usa receitas e comida para alfabetizar turma de aluna com deficiência física
Inclusão de alunos com autismo na escola: dicas e exemplos para a prática

O trabalho com receitas culinárias

Atualmente, unindo gastronomia e neuropsicologia, Mafê é estimulada a pensar além de suas limitações: o processo de cozinhar envolve todas as funções executivas, que são trabalhadas desde a ida ao supermercado para compra dos ingredientes até a apresentação do produto final, o que passa pelo planejamento, elaboração, organização, execução e resolução de problemas para a realização das receitas, além de aperfeiçoar a espera, o controle inibitório, o controle óculo-motor, a autonomia, a autoestima e a superação.

Os encontros com a chefe de cozinha e o produtor para a gravação dos vídeos para o canal acontecem quinzenalmente. A receita, enviada com antecedência, é estudada em casa por meio de leitura e interpretação de texto. As atividades para a preparação da receita são desenvolvidas sempre em sintonia com o que Mafê está aprendendo na escola, seja pesquisa de preços, pesagem dos ingredientes, separação em potes etc.

O reflexo em sua aprendizagem escolar

Em encontros periódicos com as professoras e terapeutas que a acompanham, os relatos trazem os pontos mais latentes observados em seu desenvolvimento. Seu pensamento já está mais fluido, ela melhorou a autoestima, se encoraja a participar das atividades escolares com mais segurança e se sente capaz de fazer coisas diferentes. Além disso, suas habilidades motoras estão ficando mais refinadas, seu traçado está mais firme, sua organização mental está mais equilibrada, sua produção textual ficou mais elaborada e sua leitura mais fluente.

Atualmente, além do canal do Youtube onde publicamos suas aulas de gastronomia, também temos o perfil Cozinhando com a Mafê no Instagram onde postamos mais informações sobre o projeto e a trajetória que ela está percorrendo. O foco é apresentar a gastronomia como uma opção de reabilitação e encorajar famílias que passam pelo mesmo desafio a buscar alternativas para o desenvolvimento de suas filhas e filhos.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: