O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Projeto “Brincadeiras de quintal” auxilia aprendizagem em educação física

Professora de escola estadual de SP realiza projeto que resgata tradicionais brincadeiras lúdicas com estudantes e familiares

Sou professora de educação física devido a fascinação que tinha pela ginástica e pelo atletismo. Minha família sempre praticou esportes e realizou brincadeiras. Entre nove irmãos, eu e mais dois nos tornarmos professores de educação física.

Atualmente, leciono junto com um de meus irmãos na Escola Estadual José dos Santos, em Aspásia (SP), onde nós estudamos quando crianças. Na unidade, desenvolvemos o projeto “Brincadeiras de Quintal”, que surgiu a partir de uma conversa com estudantes, fazendo uma comparação das brincadeiras antigas com as formas de brincar atualmente.

A prática de jogos e brincadeiras populares faz parte da prática pedagógica em minhas aulas desde o ensino fundamental até o ensino médio, pois acredito que não existe idade para se divertir.

Esse trabalho se iniciou antes do período de pandemia de covid-19, onde as escolas foram fechadas e as aulas tiveram que acontecer remotamente. Com o isolamento social, a gestão escolar incentivou a continuação do projeto de forma remota, dando suporte pedagógico e apoio técnico a fim de conseguirmos concretizar o que foi planejado.

Saiba mais

+ Educadora dá aulas de pilates para estudantes da EJA

A realização das brincadeiras

Os estudantes dos anos iniciais e finais do ensino fundamental participaram ativamente do processo de construção do projeto, dando sugestões de brincadeiras, escolhendo quem deveria ser entrevistado e os ambientes que deveriam ser utilizados para as práticas.

 

Sete crianças estão em quadra escolar. Em destaque, dois meninos estão passando uma bolinha verde de uma colher para outra. Fim da descrição.
Foto: Rosalina de Lázaro. Fonte: Arquivo pessoal.

As entrevistas foram feitas com mães, pais, avós e avôs, no intuito de resgatar as práticas da infância dessas pessoas. A presença dos familiares foi fundamental para obter sucesso na realização e no incentivo à participação de todas as atividades.

Discutimos sobre como brinquedos simples e brincadeiras populares deram espaço para as inovações tecnológicas e transformaram-se em jogos de videogame, smartphones, tablets e o porquê, apesar de vivermos no interior e grande parte dos estudantes na zona rural, de nossas crianças estarem cada vez mais sedentárias.

As crianças estiveram sempre no centro do nosso planejamento, e pedimos que elas buscassem práticas lúdicas de origem indígena e africana, ampliando o repertório de todas e todos que participaram das brincadeiras no quintal.

Fizemos roda de conversa, pesquisa e lista sobre as brincadeiras preferidas dos familiares e formamos grupos de WhatsApp e Facebook. Os estudantes descreveram oralmente as brincadeiras, compartilharam por meio de vídeos nas redes sociais e, por fim, estudantes e familiares fizeram uma autoavaliação sobre as aprendizagens adquiridas durante todo o processo do projeto.

As gravações estão no blog do projeto, que traz registros de diferentes etapas, desde as propostas presenciais desenvolvidas na escola até vídeos sobre as brincadeiras realizadas em casa, produções escritas sobre as preferidas da família, autoavaliações e depoimentos dos estudantes.

Todos são vencedores

A riqueza de informações que podemos adquirir utilizando uma simples brincadeira inclui o conhecimento das diferentes culturas e a ampliação do vocabulário e a melhoria das capacidades físicas e habilidades sociais. Os alunos também aprenderam sobre a importância de ser empático, menos impulsivo, a cooperar, calcular riscos, tomar decisões e melhorar a autoconfiança.

 

Em quadra escolar estão doze crianças em um círculo, cada uma delas segura um cabo de vassoura. Fim da descrição.
Foto: Rosalina de Lázaro. Fonte: Arquivo pessoal.

Quando recebemos a notícia da conquista do prêmio Educador nota 10, eu, meus gestores e os estudantes ficamos muito felizes. Foram gritos e saltos de alegria. Muito emocionante! A comunidade ficou sabendo pelas redes sociais, onde esteve sempre engajada com o projeto. É uma cidade inteira unida festejando esse prêmio no qual o mérito é de todas e todos. É fruto de um trabalho colaborativo com o objetivo de melhorar a aprendizagem dos estudantes.

Leia mais 

+ Aprendizagem das crianças: o brincar como experiência educativa
+ Educador cria blog para aulas de educação física no ensino remoto 


O projeto “Brincadeiras de quintal” é um dos 10 vencedores do Prêmio Educador Nota 10 de 2021. 

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: