Janice do Rocio Kwiatkowski

Inclusão Digital do estudante com Síndrome de Down

Este trabalho foi realizado em uma Escola Estadual no Rio Grande do Sul e teve como objetivo incluir a estudante com Síndrome de Down com o uso da tecnologia. Sabe-se que a inclusão é um processo gradativo e que demanda um preparo para adaptar a estrutura da escola, que deve voltar-se aos aspectos da educação, no que tange a inclusão, e assegurar o direito do estudante com deficiência a melhores oportunidades para que crescer e se desenvolver.

As atividades foram propostas levando-se em conta o histórico escolar da aluna A., que tem 12 anos, ainda não está alfabetizada, conhece algumas letras, números e cores, envolve-se com música, adora dançar, cantar e acompanha o ritmo com palmas e gestos.

Nos primeiros contatos das observações com a aluna A. percebeu-se a inquietação e necessidade de manusear tudo que encontrava pela frente. No ambiente informatizado, desconhecia a finalidade de estar ali diante de várias máquinas e inúmeros botões para acionar.

Os recursos tecnológicos associados aos efeitos da multimídia foram fundamentais para alcançar os objetivos propostos na sua totalidade. No momento da realização das atividades, tinha à mão o material concreto, então quando aparentava sinais de fadiga, manuseava estes materiais disponíveis. Não foi forçada em nenhum momento a permanecer só no computador, mas nas últimas sessões observou-se que permanecia mais tempo diante do computador, interagindo com as atividades, pelo gosto e conhecimento que adquiriu através da proposta realizada. 

Em contato com as professoras envolvidas no projeto descobrimos sobre suas preferências e o que mais gostava de fazer, que adora música e envolve-se facilmente com sons, acompanha com palmas os ritmos e gosta muito de atividades com músicas. Aos poucos, explorou o ambiente, conheceu os componentes do computador.

Para incluir a aluna A. digitalmente, foram planejadas atividades de acordo com sua faixa etária, levando-se em conta o atraso mental na idade cronológica. Mostrou-se envolvida e com gosto pelo que fazia, sentiu alegria e prazer no decorrer da aula, além da realização das atividades.

Ao entrar no ambiente informatizado, é movida pelas imagens e os sons chamam sua atenção, acompanha o ritmo da música na linguagem que conhece, a corporal e a gestual. Manuseou, riu, beijou, ligou e desligou as caixinhas de som numa manifestação de euforia e prazer. Como a atividade utilizou imagens, símbolos gráficos e sons, proporcionou-se a oportunidade de interagir e expressar-se através da sua linguagem. Esta combinação interligada a sons, imagens e símbolos gráficos na comunicação oportunizou à aluna A. expressar-se e compreender o que estava sendo vivenciado.

O atendimento à aluna A. ocorreu de forma gradual no sentido de proporcionar uma experiência no seu aprendizado, por que toda a nova informação que for bem assimilada pelo estudante não será esquecida, será aprendida, fator que compensa o processo lento em sua aprendizagem.

Desta forma, a possibilidade do estudante com down responder melhor à aprendizagem e participar do processo de construção está condicionada ao estímulo do meio em que está inserido, podendo ser cultural, ambiental e familiar, mas apesar das limitações, pode haver o enriquecimento, no que tange a ampliação, construção dos conhecimentos e as suas potencialidades. 

Sendo assim, o trabalho com o estudante com de Síndrome de Down requer preparo intelectual, paciência e dedicação por parte do professor, para que não leve em consideração somente suas dificuldades e limitações, mas principalmente suas habilidades e potenciais, favorecendo suas possibilidades na construção do seu conhecimento. Como a aluna A. que apresentou progressos significativos e obteve todo o preparo para dar continuidade a uma nova caminhada no ano seguinte rumo ao desenvolvimento de novos saberes.

Ao longo do processo, houve participação e apoio da direção da escola, da coordenação pedagógica, da família, das professoras titular, auxiliar, de informática e do laboratório de ensino e aprendizagem e também acompanhamento semanal na APAE local com psicóloga, fonoaudióloga e terapia musical.

 

JANICE DO ROCIO KWIATKOWSKI, PROFESSORA DE ALFABETIZAÇÃO

 

Participante do Prêmio Educador Nota 10 da Fundação Victor Civita

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: