Conheça o projeto de geometria que premiou o ‘Educador do Ano’ em 2020

Desafiado pela dificuldade de aprendizagem dos alunos na matéria, o educador planejou sequência didática inspirada na construção de casas populares

Sou professor de matemática na Escola Municipal Francis Hime, localizada em Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). O ensino da matemática tem destaque no Projeto Político-Pedagógico (PPP) da escola, como consequência de um número significativo de premiações recebidas por nossos estudantes em olimpíadas de matemática nacionais e internacionais.

No entanto, ao longo dos meus 25 anos de magistério, tenho identificado grandes dificuldades no ensino-aprendizagem de geometria. E isso se refere principalmente à capacidade de visualizar, representar ou descrever objetos planos ou espaciais; estimar e comparar distâncias, áreas e volumes, além das técnicas de medição.

Fachada da Escola Municipal Francis Hime. As paredes são brancas, com toldos e janelas em azul.
Foto: Nidiacris Ribeiro. Fonte: Trupe Filmes

Desafiado a corrigir esse problema, planejei uma sequência didática em que o saber matemático dos alunos não se restringisse a procedimentos automáticos de cálculos, sendo dessa forma potencializadora de habilidades que valorizassem o raciocínio lógico.

Sei que cada criança aprende, e aprende do seu jeito. Por isso, o projeto “Geometria e Construção” teve a intenção de propiciar um ambiente de criação para o desenvolvimento de competências necessárias para a boa aprendizagem.

Essa escolha tinha a finalidade de ampliar o horizonte matemático desses alunos, em particular na compreensão das relações entre conceitos e procedimentos da geometria com outras áreas do conhecimento.

Moradia popular

Para desenvolver esse projeto, parti do repertório dos alunos. Notei que eles estavam muito empolgados com a construção de prédios de moradia popular do programa federal “Minha Casa Minha Vida” próximos a escola. A partir daí, apresentei para turmas do 7º ano do ensino fundamental uma planta baixa de um imóvel do programa.

Além de explicar o objetivo desse trabalho, destaquei as informações matemáticas contidas na planta, conceituando: a escala; o cálculo da área de cada cômodo e do imóvel; o significado das marcações de portas e janelas; algumas normas técnicas sobre construções na nossa cidade e sobre a redução de espaços.

Com o entusiasmo e interesse dos estudantes, dividi as turmas em grupos de quatro a seis alunos e propus montarmos um projeto que envolvesse os assuntos a serem trabalhados naquela etapa do planejamento escolar.

A ideia era reproduzirmos os passos de construção de um apartamento da moradia popular, desenvolvendo os conceitos de área e perímetro das principais figuras planas; proporcionalidade; ângulos; unidades de medidas, escalas e elaboração de planilhas.

As atividades desenvolveram: reconhecimento de padrões e regularidades; cálculo de áreas, utilização de escalas e manuseio de instrumentos de medição; identificação do método dedutivo no ensino da geometria etc. Isso para atender as competências e habilidades específicas de matemática, previstas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), para o planejamento curricular.

Leia relatos de projetos vencedores do Prêmio Educador Nota 10
“Viajando pela cultura africana” valoriza diversidade étnico-racial brasileira
Projeto “Óptica com ciência” propõe formar estudantes investigadores
Com ações performáticas, estudantes são protagonistas de projeto de arte

Metodologia

Elaboramos, em conjunto, um cronograma de planejamento e ações a serem desenvolvidas ao longo do projeto. Ao final da execução de cada etapa, fizemos uma análise e reflexão sobre os resultados obtidos, para validá-la ou não, e prosseguir com as outras ações.

As etapas estabelecidas foram:

1) Desenho da planta baixa

A primeira etapa tinha como meta desenhar a planta baixa de uma casa, especificando medidas e posicionamento de cada cômodo, bem como sua área e localização de portas e janelas.

Também estabelecemos a escala utilizada na planta e determinamos a espessura das paredes. Uma das dificuldades observadas, na qual fiz as intervenções, foi o manuseio do material de construção geométrica, como régua e compasso.

Nessa etapa, como caráter exploratório da pesquisa, os estudantes puderam fazer uso de informações contáveis em sites específicos sobre o assunto. E também tiveram a oportunidade de conversar e contar com o auxílio de especialistas como arquitetos, engenheiros e pedreiros.

No que diz respeito à busca de novos conhecimentos, o contato os profissionais residentes no bairro trouxe para os estudantes uma visão sobre a importância da formação acadêmica, dos caminhos a serem trilhados e das dificuldades a serem enfrentadas para alcançá-la.

2) Construção da maquete

Nesta etapa, o objetivo foi construir a maquete da casa, em uma escala reduzida. O recurso da maquete auxilia o estudante a explorar as formas e visões geométricas, além de expandir seus conhecimentos sobre razão, proporção, escala, noção de espaço e a utilização de materiais específicos de medidas.

Também conceituei a noção de escala como uma razão; mostrei o cálculo de área das principais figuras planas, bem como o uso da proporcionalidade na relação entre as medidas reais e as medidas do desenho; e apresentei o programa AutoCAD (muito utilizado por arquitetos, designers e engenheiros), que mostra a casa em uma visão 3D.

3) Planejamento para a colocação de revestimento

Na etapa seguinte, nossa intenção era montar um planejamento para o revestimento de todo o piso da casa. Para isso, estudamos o piso escolhido para cada cômodo, com imagens e valores, o orçamento de um pedreiro e os materiais necessários, como argamassa, espaçadores e rejunte.

Essa etapa colocou os alunos em contato com lojas de materiais de construção da comunidade, possibilitando a ampliação da percepção sobre os custos de um imóvel. Destacou-se também a oportunidade de valorização da profissão do pedreiro, uma vez que os estudantes consultaram um especialista.

Por fim, construímos uma planilha com a quantidade necessária de cada material, com os seus respectivos valores e o custo total da obra.

4) Apresentação dos trabalhos

Na última etapa, apresentamos as maquetes desenvolvidas por cada grupo, bem como vídeos com todas as etapas do projeto e uma parte escrita. Na maquete constavam as medidas e respectivas áreas de cada cômodo e a escala utilizada. O vídeo mostrava imagens da elaboração da planta; confecção da maquete; escolha dos pisos; e a entrevista com um pedreiro.

Na parte escrita, deveria constar a planta baixa da casa; a planilha com todos os custos envolvidos; e uma avaliação individual, apontando as dificuldades e as aprendizagens construídas, além dos conceitos matemáticos observados durante a realização do projeto.

Em sala de professores, maquetes estudantis de casa populares estão expostas. Fim da descrição.
(Foto: Luiz Felipe Lins)

Trabalho colaborativo

O caráter formativo do projeto “Geometria e construção” desenvolve diversos aspectos da formação de um jovem, como a interação de forma cooperativa, o trabalho colaborativo, além da solidariedade e da ética, que são agentes transformadores de uma sociedade.

A organização dos alunos em equipes fortaleceu a busca por soluções consensuais para resolução de situações-problema, decorrentes do projeto. Isso foi um aspecto positivo enaltecido por muitos dos alunos, que passaram a escutar mais as outras pessoas e aprenderam a trabalhar em grupo.

Além do desenvolvimento do espírito de equipe, o projeto procurou respeitar as habilidades individuais de cada um e pontuar a importância de preservar o uso do bem material e do espaço de convívio escolar. Dessa forma, contribuindo para a construção de um mundo sustentável com base em princípios éticos, democráticos e solidários.

Leia mais
Escola de Florianópolis aposta em trabalho colaborativo para garantir inclusão
Educadores apostam em trabalho colaborativo para aprendizagem de estudante
Como escola do Acre se tornou referência em educação inclusiva

Podemos eliminar barreiras ao aprendizado

Essas iniciativas mostram que é possível motivar estudantes e professores a eliminar grandes dificuldades no processo ensino-aprendizagem, em especial no ensino da geometria, e a dialogar com a vida cotidiana desses alunos.

Professor Luiz Felipe Lins escreve em lousa branca. Fim da descrição.
Foto: Nidiacris Ribeiro. Fonte: Trupe Filmes

É possível romper a inércia de ensinar geometria de forma mecânica, ou mesmo sequer ensiná-la. Trazendo, assim, de volta para a sala de aula as ideias dos grandes geômetras gregos em despertar o prazer da descoberta a partir de observações e experimentações, trabalhando de forma consciente, lúdica e motivadora.

Como diria Johannes Kepler, matemático alemão considerado figura-chave da revolução científica do século XVII: “a geometria existe por toda parte. É preciso, porém, olhos para vê-la, inteligência para compreendê-la e alma para admirá-la”.

É preciso rever o processo educativo

Durante o projeto, percebi que para assegurar a aprendizagem é preciso rever cada detalhe do processo educativo: o espaço da sala de aula; a grade curricular; os processos avaliativos; a questão da interdisciplinaridade; e o despertar da inteligência emocional.

Além do mais, ficou clara para mim a importância de um professor disposto a compreender as mudanças já ocorridas e ter a consciência de que habitamos uma sociedade em permanente transformação e podemos aprender a partir das indagações trazidas por nossas crianças.

Conheça outras estratégias pedagógicas elaboradas para o ensino de matemática 
Estudantes têm participação ativa em aula de matemática diferenciada 
Robô auxilia aprendizado de matemática

O projeto “Geometria e construção” traz significativa contribuição para o professor, pois pode auxiliá-lo no processo ensino-aprendizagem, desvencilhando-o de aulas puramente expositivas, modificando assim sua prática.

Reconhecer a geometria como agente transformador que possibilita, além da construção de conhecimento, uma formação sociocultural e emocional, é gratificante para a profissão de professor e ser humano.

A escola, assim como a matemática, não deve ser espaço de opressão

Pretendo dar continuidade à utilização de atividades como essa, propondo o desenvolvimento de outras sequências e recursos didáticos com a utilização de novos materiais que privilegiem a relação professor-aluno-aprendizagem de forma eficaz.

A escola, assim como a matemática, não deve ser espaço de opressão, de sofrimento, de segregação. Ouvir mais nossos alunos, fazendo com que se sintam acolhidos e valorizados, respeitando suas diferenças e desenvolvendo suas habilidades é fundamental no processo educativo.

É preciso mostrar que toda comunidade escolar é parte de uma sociedade em processo de mudança e adaptação, e que, em conexão com o mundo, exige conhecimentos que dialoguem com experiências de vida, oportunizando transformações.


Luiz Felipe Lins é o Educador do Ano do  Prêmio Educador Nota 10 de 2020 Site externo. Seu projeto, “Geometria e Construção”, também foi o mais admirado na votação popular, ganhando o #ESSEPROJETOÉ10!.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: