Caso de aluno com Síndrome de Down e déficit de atenção provoca mudanças em rede de ensino

Gustavo* estava matriculado no 5º ano do ensino fundamental, na EMEIEF Candido Portinari, localizada na cidade de Santo André, na região metropolitana de São Paulo. O estudante era acompanhado por um profissional de apoio (chamado de agente de inclusão escolar na rede municipal) durante o período em que permanecia na sala regular. Duas vezes por semana, no contraturno, frequentava o atendimento educacional especializado (AEE) na sala de recursos multifuncionais (SRM). O aluno tinha diagnósticos de Síndrome de Down e Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Desde seu ingresso na unidade, o garoto apresentava dificuldades para interagir com colegas de sala e com outras pessoas do ambiente escolar. Ele não estabelecia vínculos, conseguia concentrar-se somente por um curto espaço de tempo e ainda não realizava atividades de registro. Além disso, resistia em permanecer nos mesmos ambientes em que seu grupo estava, fosse em sala de aula ou em outros espaços da escola.

A agitação na sala de recursos multifuncionais (SRM) também era constante. Gustavo compreendia as comandas, entretanto, geralmente não as realizava. Era necessário retomar o que era solicitado diversas vezes para conseguir sua atenção. Além disso, o aluno realizava intervenção nas áreas de psicologia e fonoaudiologia no Centro de Atendimento Educacional Multidisciplinar do município, aulas de natação no Núcleo de Natação Adaptada de Santo André e acompanhamento regular com neuropediatra.

 

Revendo pontos de atenção

No início de 2017, nós – uma equipe formada por educadoras da escola e integrantes da Secretaria de Educação do município – levamos o caso de Gustavo para ser discutido no DIVERSA presencial. O projeto de formação em serviço é oferecido pelo Instituto Rodrigo Mendes (IRM) e tem como objetivo articular a teoria da educação inclusiva com a realidade das escolas a partir da discussão de situações reais.

As questões debatidas ao longo dos encontros nos inquietaram. Uma delas estava relacionada às barreiras que o garoto encontrava para ser plenamente incluso em nossa rede. Essa reflexão nos apontou a necessidade de rever e reconstruir nosso fazer pedagógico, nossa relação com alunos e nosso modo de envolver os profissionais da equipe escolar no processo de inclusão e de estabelecer parcerias com as famílias.

Outro ponto trazido à nossa atenção foi a articulação entre nossos serviços. Percebemos que os momentos destinados à troca de experiências entre os profissionais envolvidos na inclusão de Gustavo eram insuficientes. Não havia parceria efetiva entre ensino regular e atendimento educacional especializado.

A atuação do profissional de apoio foi outro ponto sobre o qual passamos a refletir. Ao longo da formação, pudemos compreender que esse trabalho envolve os cuidados com o aluno e que não deve se voltar para questões pedagógicas, que são de exclusividade do professor de sala de aula. Antes, esses papéis se confundiam na figura do agente que acompanhava o estudante.

O estudo sobre currículo também nos provocou inquietações. Uma delas foi o fato de não ter existido uma proposta baseada nas possibilidades do garoto. Apesar do direito ao ingresso no ensino regular assegurado pela legislação, constatamos que ainda era necessário qualificar a permanência dos alunos com deficiência em nossa rede.

 

Ações futuras

As reflexões provocadas pelas discussões do DIVERSA presencial nos fortaleceram para planejar futuras ações. Essas dizem respeito ao direito das crianças e adolescentes de estar e pertencer na escola, à garantia do currículo, à eliminação de barreiras, ao estabelecimento de parcerias efetivas, à funcionalidade e qualidade dos planos do AEE e da sala regular, à função desse serviço e do profissional de apoio etc. Essas iniciativas irão se estender para toda a rede, fortalecendo os princípios de uma educação pública para todos.

* Nome fictício para preservar a identidade do estudante

 

Projeto participante do DIVERSA presencial 2017.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: