O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Organização apoia educação de crianças em vulnerabilidade social

Em Moçambique, Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil presta serviços em prol do desenvolvimento das crianças e adolescentes do país

Por Juliana Delgado

Preocupados com o desenvolvimento de crianças e jovens moçambicanos, estudantes universitários criaram a Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil (ODEI) em 2020.

Existente há um ano, a ODEI já realizou mais de 150 atividades, tendo como principais objetivos causas humanitárias: doações e assistência de famílias e crianças em situação de vulnerabilidade social. Os valores da organização incluem honestidade, responsabilidade, ética e empatia.

Situada em Moçambique, na África Oriental, a ODEI trabalha a conscientização sobre o processo de desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens entre 0 e 17 anos em comunidades.

A equipe presta assistência a mães, pais, tutores, educadores e todos os agentes envolvidos no desenvolvimento infantil, incluindo estudantes público-alvo da educação especial.

Hoje a organização é composta por um grupo de especialistas das mais variadas áreas, incluindo educação infantil, nutrição, psicologia clínica e educacional, sociologia, administração pública, enfermagem geral, língua de sinais, direito, gestão escolar, pedagogia, entre outros.

Além desses profissionais, participam estudantes da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), da Universidade Federal Joaquim Chissano (UJC), da Universidade Pedagógica (UP), da Universidade Católica de Moçambique (UCM) e de institutos técnicos do país.

Leia também

+ Estados Unidos atuam a fim de alcançar educação para todas e todos
+ Filipinas seguem empenhadas em progredir com a educação inclusiva
+ Ucrânia avança em políticas públicas para educação inclusiva

Em sala de reuniões, seis jovens moçambicanos, entre eles uma mulher, estão reunidos ao redor de uma mesa retangular. Fim da descrição.
Fonte: Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil. 

Acesso à educação em Moçambique

De acordo com a organização, o ensino público do país conta com um total de 13.337 escolas primárias, equivalente ao ensino fundamental brasileiro, e 677 escolas secundárias, equivalente ao ensino médio.

Moçambique também possui leis e diretrizes que buscam garantir a educação e o processo de inclusão de pessoas com deficiência no sistema educacional.

Atualmente, os cidadãos contam com a lei da educação; com o plano estratégico da educação; o plano estratégico do ensino secundário; o plano estratégico da educação inclusiva; e considera a Declaração de Salamanca e a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Saiba mais

+ “Não há futuro em um mundo sem respeito aos direitos humanos”
+ Ativistas abordam importância da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

A Lei n.º 18/2018 estabeleceu o Sistema Nacional de Educação (SNE) e aponta a inclusão, a equidade e a igualdade de oportunidade no acesso à educação como um direito de todos os moçambicanos.

No capítulo três da publicação, são apontadas as características e objetivos da educação especial no país. O trecho afirma que deve ser provido apoio e facilitação da aprendizagem de todo estudante, com base em suas singularidades, a fim de maximizar as potencialidades de cada um.

A lei afirma, ainda, que o objetivo da educação especial é proporcionar a criança, jovem ou adulto uma formação e uma capacitação vocacional que permita a sua participação plena na sociedade.

Em sala de aula, crianças uniformizadas estão em pé ao lado de suas carteiras. Todas usam máscara cobrindo o nariz e a boca. Fim da descrição.
Fonte: Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil.

Educação como base do desenvolvimento infantil

Todo indivíduo tem direito ao bem estar físico e emocional.

É o que afirma a equipe da ODEI. Lutando pelo bom desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens em todos os aspectos, a organização implementa ações que contribuem para a educação e para o pleno desenvolvimento em todas as habilidades, sejam elas psicomotoras, cognitivas ou afetivas.

Para isso, presta assistência por meio de projetos faseados em informação, sensibilização, promoção de educação e saúde, assistência, acompanhamento psicológico e palestras nas comunidades e outras áreas inerentes ao bom desenvolvimento integral.

Essas intervenções são realizadas de forma contínua e sustentável, em autonomia ou em parceria com entidades locais envolvidas no planeamento e execução das respectivas políticas nacionais de educação.

O pilar da instituição é atuar com as crianças, adolescentes e jovens nas seguintes áreas: sobrevivência e desenvolvimento; educação; proteção infantil e do adolescente; assistência familiar; e saúde.

De acordo com a ODEI, “os primeiros anos de vida de um indivíduo são cruciais para o seu pleno desenvolvimento. Portanto, quando recebe cuidados e uma alimentação adequada, a criança tem melhor condição de sobreviver e se desenvolver fisicamente, mentalmente e socialmente.”

Em espaço externo, sete crianças, duas meninas e cinco meninos, estão sentadas sobre um tapete de bambu, enquanto seguram cadernos abertos. À frente deles, mulher está inclinada, falando com um dos meninos. Fim da descrição.
Fonte: Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil.

Falando especificamente sobre a educação, eles afirmam, também, que é um direito de toda criança ter oportunidade de uma educação gratuita e de qualidade.

Por considerar como primeira fonte da educação a família, a organização também aponta a importância de criar estratégias que ajudarão as famílias a proporcionarem um ambiente saudável para as crianças.

Um dos exemplos desse apoio é a utilização da tecnologia para realizar palestras e lives direcionadas às famílias, para que os responsáveis entendam seu papel na educação das crianças. O objetivo é promover um trabalho colaborativo entre educadores e familiares, resultando em uma educação de qualidade.

Eliminação de barreiras para uma educação inclusiva

Para garantir que nenhuma criança fique para trás, a organização é a favor de uma educação inclusiva na prática: “Sensibilizamos os educadores, auxiliando em estratégias pedagógicas e indicando materiais para maior estimulação dos estudantes”.

A equipe da ODEI também tem feito intervenções nas instituições de ensino para conscientizar sobre os benefícios que um ambiente saudável proporciona para a aprendizagem, e alega que está dentro dos planos passar a oferecer formações:

Por enquanto, fazemos a diferença até onde podemos, compartilhando informações e conhecimento sobre a importância da inclusão no nível educacional.

Recentemente, a ODEI teve participação em projetos e atividades de caráter educativo, inclusive teve a oportunidade de participar no projeto “Criança e Cultura”, desenvolvido pela Associação dos Jovens Voluntários (JOV), que contou com a presença da Petra Graterol, psicóloga educacional da França, do Serviço Internacional de Voluntariado.

Em feira de exposição, meninos acompanhados de mulher estão em volta de uma mesa com materiais pedagógicos coloridos, feitos com reciclagem. Fim da descrição.
Fonte: Organização para o Desenvolvimento e Educação Infantil.

A organização também participa de feiras educativas e produz materiais pedagógicos com recicláveis. Esses materiais são fornecidos a estudantes em vulnerabilidade social.

Embora apoiem plenamente as escolas, a instituição finaliza apontando a necessidade de criação de ambientes com acessibilidade arquitetônica no país, para que os estudantes com deficiência possam acessar todos os espaços com autonomia.

A ODEI ainda cita a necessidade de disponibilização de materiais escolares e atividades inclusivas, além de uma capacitação de professores para a criação de conteúdos e aulas inclusivas.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: