O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Entrevistados falam da importância do DIVERSA para educação inclusiva

Pessoas que colaboraram com o portal ao longo dos 10 anos de existência falam da contribuição do DIVERSA para um ensino inclusivo de qualidade

Por Luan Brito

O portal DIVERSA continua as comemorações de uma década de existência compartilhando conhecimento e boas práticas sobre educação inclusiva. Essa é a última notícia na série de publicações realizadas a cada semana deste mês, para que a sociedade esteja cada vez mais envolvida nesse movimento.

O DIVERSA entrevistou três pessoas que contribuíram com o portal ao longo desses anos. Os especialistas em educação abordam a contribuição do site para um ensino de qualidade que agregue todas e todos, os desafios encontrados no início do projeto e o atual momento da educação no país.

Crianças jogam vôlei sentados na quadra. Ao centro, um menino em cadeira de rodas se prepara para rebater a bola que chega até ele. Fim da descrição.
Foto: Pat Albuquerque. Fonte: Instituto Rodrigo Mendes

Início do projeto

O portal DIVERSA entrou no ar em 4 de outubro de 2011, com o objetivo de garantir um ensino de qualidade para pessoas com e sem deficiência em escolas comuns do país. Aquele era um momento de avanços em políticas públicas relacionadas à educação, principalmente com a criação da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva, em 2008.

Apesar do clima favorável à educação inclusiva, Augusto Galery, doutor em psicologia social que foi coordenador do DIVERSA entre 2011 e 2015, lembra do grande desafio no início do projeto: “Na época, a relação entre escolas, educadores e famílias, para que todos percebessem as necessidades de mudança e se prepararem para elas, era o maior desafio do portal.”

Augusto posa para foto. Ele é um homem branco, com cabelos, cavanhaque e bigode grisalhos e usa uma camisa clara. Fim da descrição.
Augusto é doutor em psicologia social e pesquisador em sociedade inclusiva. (Foto: Augusto Galery. Fonte: Arquivo pessoal)

Augusto ainda conta que o desafio era acompanhado de certa resistência à nova política de educação, já que antes do portal havia poucos estudos de casos e experiências que realmente fossem inclusivas: “Educadoras, educadores e escolas estavam assustados com a mudança, assim como as escolas especializadas, que temiam perder seu papel social.”

teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste teste

Contribuição para verdadeira inclusão

O acervo do DIVERSA contempla ao longo desses dez anos mais de mil conteúdos, entre relatos de experiências, materiais pedagógicos acessíveis, estudos de caso, artigos e notícias produzidas com o apoio de educadores, gestores, mães, pais e estudantes.

Pilar posa para foto. Ela é uma mulher branca, com cabelo curto grisalho e usa uma blusa na cor laranja com detalhes em branco. Fim da descrição.
Pilar é ex-secretária de Educação Básica do MEC (Foto: Pilar Lacerda. Fonte: Arquivo Pessoal)

Pilar Lacerda, ex-secretária de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC) que também colaborou com o site, avalia que todo o trabalho desenvolvido nessa primeira década de existência mostra que a “inclusão é possível, desde que tenha formação e acolhimento.”

Segundo ela, além disso, é apresentado claramente no portal que a educação inclusiva é boa para todo mundo, pois ensina a conviver com as diferenças: “Eu não posso defender a diversidade na sociedade se eu não conheço pessoas diferentes de mim. O DIVERSA possibilita conhecer experiências educacionais positivas que mostram na prática exatamente isso.”

Na mesma linha, Ana Elisa Siqueira, diretora da Escola Municipal Amorim Lima, em São Paulo, aponta que o DIVERSA traz à tona todos os envolvidos com a educação: “É muito bacana que o site traz todos os atores sociais em pauta. Ele traz a fala da mãe, do pai, do estudante, do especialista e outros.”

Ela ressalta que outra contribuição importante é mostrar que o educador não está sozinho no desafio de colocar a inclusão em prática: “Ele tem a família, os outros educadores, a equipe gestora e o próprio estudante para fazer um ensino de qualidade para todos.”

Leia mais

+ O caso da Escola Amorim Lima – São Paulo
+ Estamos efetivamente construindo a escola que sonhamos?

Experiências que inspiram

Atualmente, o site disponibiliza 374 relatos de experiência onde educadores de todo o país buscam compartilhar suas práticas em educação inclusiva, em diferentes níveis de ensino.

Ana Elisa posa para foto. Ela é uma mulher branca, com cabelo ruivo na altura do ombro e usa uma jaqueta e cachecol na cor preta. Fim da descrição.
Ana atua há 26 anos na escola municipal Amorim Lima onde atualmente é diretora (Foto: Ana Elisa. Fonte: Arquivo pessoal)

Ana Elisa destaca que o espaço dedicado a compartilhar as experiências práticas em inclusão traz uma realidade possível para todas as escolas: “Se em outro lugar pode, todos os lugares podem, desde que as pessoas se permitam traçar esse caminho. As histórias mostram que a educação inclusiva não é algo fictício, é algo que dá certo e que todos os educadores e gestores têm condições de realizar, basta querer.”

De acordo com Pilar, a falta de registros de experiências é uma característica da educação básica no Brasil: “Se esse professor sai da escola, ninguém fica com essa memória. Esse é outro ponto em que o DIVERSA beneficia a educação do país”. A diretora da Fundação SM menciona que os relatos disponibilizados pelo portal criam uma identificação com os educadores, uma vez que são práticas na realidade brasileira.

“Você lê e fala: ‘não é o teórico da Universidade de Harvard que está falando, é o professor que dá aula na escola municipal na periferia de São Paulo’. As pessoas se tornam mais sensíveis a isso.”

A luta continua

Durante esses dez anos de existência, o DIVERSA acompanhou discussões, avanços e tentativas de retrocessos em políticas públicas relacionadas à educação. Os três entrevistados avaliam a atual realidade da educação no Brasil e o futuro da inclusão escolar.

Para Augusto, atualmente o portal acompanha um momento em que a inclusão nas escolas está em risco: “A educação inclusiva está sob ataque, do ponto de vista das políticas de governo. Declarações absurdas são jogadas na mídia o tempo todo. Isso põe em risco todos os ganhos dos últimos 10 anos na promoção da inclusão na sala comum.”

Na avaliação de Ana Elisa, a luta pelo ensino de qualidade está em um momento difícil por falta de conhecimento por parte da sociedade: “Tem situações sobre preconceitos que acontecem não por maldade, mas sim por desconhecimento. O conhecimento e o debate devem ser cada vez mais públicos, como é feito no DIVERSA, pois é um conceito de sociedade.”

Segundo ela, o portal é fundamental para que todos entendam a importância da inclusão: “Enquanto tiver uma pessoa que não consiga entender a diversidade, temos que continuar trabalhando, e o DIVERSA é uma grande ferramenta para conseguirmos êxito.”

Na luta pela educação de qualidade há décadas, Pilar afirma que a luta de todos ainda continua: “Todos nós, educadores, DIVERSA e sociedade em geral, temos um grande trabalho pela frente para que possamos ter a escola que a gente sonha e, principalmente, a escola que o Brasil, como nação, precisa.”

Saiba mais

+ Portal DIVERSA completa aniversário de 10 anos de existência
+ Especialistas são contra a nova Política Nacional de Educação Especial
+ Empatia na educação inclusiva: conviver e ensinar na diferença


Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: