Atendimento educacional especializado (AEE) e sala comum: trabalho colaborativo para a inclusão

Um grupo de seis educadoras está reunido ao redor de uma mesa. Elas escrevem em cadernos e ouvem uma das colegas de trabalho que está de pé, conduzindo a reunião.
Trabalho conjunto entre sala de aula comum e AEE ajuda a diversificar estratégias pedagógicas. Foto: Pedro Noronha.
Quem cria as estratégias para ensinar um estudante com autismo: o professor de sala ou o profissional do atendimento educacional especializado (AEE)? Quem adequa as atividades de um aluno com deficiência intelectual? E na hora da avaliação: quem atribui nota? Nem um, nem outro, e sim os dois. Nesses casos, a responsabilidade pelo planejamento pedagógico é tanto do professor de sala quanto do docente da sala de recursos multifuncionais (SRM). Os dois devem contar com o apoio da coordenação pedagógica nesse processo.

Entenda abaixo por que a colaboração é condição fundamental para o serviço de apoio, saiba o que os especialistas dizem, veja exemplos de práticas reais de trabalho colaborativo entre o serviço de apoio e a sala regular e confira as principais dúvidas e respostas sobre o tema.

O papel do AEE

O atendimento educacional especializado foi estabelecido pela Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva, em 2008. Dez anos depois, tanto o documento quanto o serviço de apoio são reconhecidos como conquistas fundamentais para a garantia de educação para todos. A Política assegura a matrícula das pessoas com deficiência na escola comum e estabelece diretrizes para a criação de políticas públicas e práticas pedagógicas voltadas à inclusão escolar. Além disso, reformula o papel da educação especial, que passa a integrar a proposta pedagógica da escola por meio do AEE.

Quatro garotas estão sentadas lado a lado em cadeiras dentro de uma sala de aula. Elas sorriem.
Na escola da Ana Carolina (ao centro), que tem baixa visão, o AEE vai até a sala comum. Veja o documentário sobre a prática abaixo.
O principal objetivo desse serviço de apoio é identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de acessibilidade com foco na eliminação das barreiras para a plena participação dos estudantes com deficiência, transtorno do espectro autista (TEA) e altas habilidades/superdotação, em prol da autonomia e independência na escola e fora dela. E trabalhar cooperativamente é condição fundamental para que o AEE cumpra sua função. Do contrário, ele perde o sentido.

Dizer que a educação especial é transversal significa assumir a necessidade da construção de uma cultura educacional inclusiva, na qual todos participam do processo educativo com o objetivo comum de não deixar ninguém para traz.

O que você precisa saber

Nos artigos abaixo, especialistas destacam a importância da colaboração como premissa para que a educação inclusiva se efetive na prática. Veja:

+ Atendimento educacional especializado: pressupostos e desafios
+ O papel do diretor na valorização das diferenças e inclusão de todos
+ O papel da escola quando há hipótese de diagnóstico de deficiência
+ O projeto político-pedagógico (PPP) e o atendimento educacional especializado na perspectiva inclusiva
+ O que fazer quando não há AEE na escola?

Exemplos de colaboração

Na educação inclusiva, todos têm direito ao mesmo currículo e ao mesmo conjunto de saberes. Por isso, o responsável por todos os estudantes, com ou sem deficiência, é quem faz o planejamento para todo o grupo: o professor regente da sala comum. Mas essa tarefa pode – e deve – ser compartilhada. Quando o docente da sala de recursos participa, ele tem a oportunidade de propor atividades ao colega da sala comum considerando os interesses e as necessidades de cada aluno com deficiência, identificar possíveis barreiras à aprendizagem desses estudantes e apontar estratégias para que eles tenham as mesmas oportunidades que toda a turma.

Confira histórias de educadores que apostaram nesse trabalho colaborativo:

Educação física e AEE se unem para incluir aluno com autismo em circuito motor
Em Curitiba (PR), professoras ajudam garoto a vencer barreira do isolamento ao criar atividades motoras e corridas de revezamento para turma do 4º ano do ensino fundamental.

Este vídeo conta com legendas em português, inglês e espanhol (ativadas pelo player) e com versões com Libras e audiodescrição

Com apoio do AEE, professoras flexibilizam atividades para estudante autista
Docentes da sala comum e da sala de recursos multifuncionais se unem para desenvolver estratégias a partir de interesses de adolescente com autismo.

Construção coletiva de plano de trabalho de AEE na educação infantil
Equipe gestora e professoras da sala de recursos multifuncionais e da sala regular se unem para reformular objetivos de plano de trabalho de garoto com transtorno do espectro autista (TEA).

O caso da escola Donícia Maria da Costa
Docentes do AEE de unidade de ensino fundamental de Florianópolis (SC) apostam na construção de relações afetivas com colegas da sala de aula comum.

Este vídeo conta com legendas em português, inglês e espanhol (ativadas pelo player) e com versões com Libras e audiodescrição

Interlocução entre sala regular e AEE garante inclusão de criança com autismo
Escola de Peruíbe (SP) se aproxima de família de aluna com autismo e amplia estratégias pedagógicas de comunicação.

Formação de professores do AEE estimula soluções criativas para a inclusão
Município mato-grossense cria formação com espaços de compartilhamento de experiências para profissionais do atendimento educacional especializado da rede.

Principais dúvidas

Confira as principais discussões de nossos usuários sobre atendimento educacional especializado:

+ O que é, qual a função e como funciona o AEE?
+ O que são as salas de recursos multifuncionais (SRM)?
+ Estudante sem laudo pode receber atendimento educacional especializado?
+ Alunos que não são do público-alvo da educação especial podem se matricular no AEE?
+ Quem adapta uma avaliação é o professor da sala ou do AEE?
+ Como o AEE pode contribuir para que o planejamento pedagógico seja inclusivo?
+ Como orientar professores que pensam que alunos com deficiência são do apoio e do AEE?
+ Como o AEE pode desenvolver autonomia de um aluno desestimulado pela família?
+ Que medidas devo tomar caso minha escola não tenha AEE?

Mais referências

Quer se informar ainda mais? Confira todas os conteúdos do DIVERSA sobre atendimento educacional especializado.

Aproveite também para esclarecer dúvidas e trocar ideias sobre educação inclusiva com a Comunidade DIVERSA. Basta se cadastrar para começar a interagir.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: