Deuzana Barbosa de Brito

Aprender a aprender e, assim, a incluir

A comunidade escolar da Escola Estadual São Geraldo sente-se honrada por preservar seu acervo histórico, repassado para os alunos e muitos pais que estudaram aqui. Estes pais recontam suas atividades e aventuras dentro da escola e falam da importância que a instituição teve em suas vidas.

A escola tem, como meta, a qualidade de ensino e, como objetivo, uma educação transformadora. Como instituição, ela propõe, ao aluno, a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades e elabora projetos que preparam professores para um trabalho de qualidade, proporcionando um elo de comprometimento e formação entre o educador e o educando. 

O projeto “Aprender a aprender e assim incluir” iniciou-se, em 2013, para atender às novas demandas de alunos com deficiência na nossa escola. Era preciso que alguma coisa fosse feita para que eles, ao chegar, não continuassem vivendo a exclusão. Eram alunos que estavam chegando às escolas públicas vindos de escolas especiais, mas, muitas vezes, não eram bem recebidos devido ao despreparo da maioria dos professores no atendimento a esta clientela. 

Muitos desses alunos, além da deficiência, traziam consigo baixa autoestima, o que dificultava a aprendizagem. Essa nova realidade levou a uma reflexão sobre o papel do educador na vida dessas crianças e, principalmente, ao desafio de fazer algo por esses alunos e, também, pelos professores que, muitas vezes, ficavam angustiados por não saber o que fazer com eles.

No início, o projeto tinha, como foco, proporcionar, ao professor envolvido, subsídios para enfrentar, com prazer, o desafio que ora surgia em sua vida profissional, instrumentalizando o para trabalhar no desenvolvimento desses alunos com responsabilidade e compromisso. Uma das etapas do projeto foi, portanto, subsidiar formas para incrementar as atividades desenvolvidas no estudo de módulo II e criar estratégias para explorar cada ação. Nos primeiros contatos com os novos alunos, os professores tinham dificuldades para diferenciar os objetivos, as metodologias, os resultados e a elaboração da flexibilização do conteúdo trabalhado. Não conseguiam criar etapas para inserir esses novos alunos no contexto da sala de aula e da aprendizagem. Este foi o primeiro diagnóstico.

Um dos objetivos do projeto foi fazer com que os educadores compreendessem o conhecimento teórico, aprendendo a formular possibilidades, atividades, ideias e perceber que é possível construir uma nova realidade educacional. As dúvidas referentes ao potencial das crianças com deficiência faziam parte da realidade vivida pelos educadores e estavam repercutindo na comunidade escolar. Surgiu, então, a possibilidade de mediar a formação do conhecimento por meio do estudo das diversas deficiências e metodologias para incluir, de fato e de direito, o aluno no mundo da aprendizagem.

De acordo com o currículo básico comum (CBC), a Declaração de Salamanca e muitos outros textos que subsidiaram este trabalho, toda criança precisa ter reconhecido o seu direito de conviver com todos e ter acesso à aprendizagem de qualidade, retirando do processo qualquer barreira que a impeça de ser ela mesma. Entre as muitas posturas estudadas, uma chamou a atenção, pois mostra claramente os pontos que queríamos desenvolver no projeto iniciado. “Educação inclusiva significa pensar uma escola em que é possível o acesso e a permanência de todos os alunos, e onde os mecanismos de seleção e discriminação, até então utilizados, são substituídos por procedimentos de identificação e remoção das barreiras para a aprendizagem.” (Pletsch Fontes, 2006; Glat; Blanco, 2007)

Assim, percebemos que deveríamos promover não só o aprendizado do professor, a fim de promover o conhecimento voltado para alunos com diversas deficiências, mas, também, sanar um sério problema, que era o de receber alunos com NEE (necessidades educativas especiais) não alfabetizados, apesar de estarem no 6º ano do Ensino Fundamental.

Nesse contexto, a Língua Portuguesa tornou-se a disciplina-base para o nosso trabalho e, em nossas reuniões de módulos, começamos a estudar como flexibilizar as atividades para atender esses alunos. Para atingir o objetivo da alfabetização, foi preciso enriquecer o debate e promover discussões integrando a proposta curricular de Português no que se refere a gêneros, compreensão e produção de textos.

Uma pesquisa bibliográfica sobre as deficiências múltiplas subsidiou um debate que nos levou a um conhecimento reflexivo e mais profundo da nossa realidade. Foram promovidas reuniões, estudos de caso, busca por artigos que falassem da inclusão e da alfabetização, debates, conferências, estudos baseados em vídeos. Toda a comunidade escolar passou a valorizar o trabalho realizado e os profissionais sentiram-se capazes de tentar mudar uma realidade estabelecida.

Foram criadas algumas oficinas para a confecção de materiais pedagógicos e flexibilização de conteúdos para a alfabetização dos alunos com deficiência. Assim, surgiu, dentro da escola, um grande mutirão. A professora de apoio confeccionava materiais diversos para trabalhar com estes alunos; a professora de Educação Física conseguiu incluir um aluno com síndrome de Down no time de vôlei da sala e os professores de todas as disciplinas trabalhavam na alfabetização dos alunos, utilizando os materiais preparados, nas oficinas, com o auxílio da professora de Língua Portuguesa, que passou a ser uma grande parceira do projeto.

É curioso como a avaliação do projeto “Aprender a aprender e assim incluir” partiu da observação dos alunos sem deficiência. Havia uma vontade velada de conhecer, uma curiosidade dos antigos alunos em relação a tudo aquilo que estava acontecendo, àquela transformação, àquela movimentação em atender crianças que poderiam não aprender nunca. Era um pensamento preconceituoso, mas que estava enraizado no subconsciente coletivo da nossa comunidade escolar. Este pensamento foi sendo alterado à medida que o projeto se desenvolvia.

Os professores passaram a não ter receio de falar sobre o que estava acontecendo, por terem adquirido conhecimentos suficientes para esclarecer sobre a inclusão e, o mais importante, estavam em condições de desenvolver um trabalho de qualidade com os alunos do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Os pais demonstraram sua satisfação nos depoimentos em reuniões escolares para a entrega de resultados. Muitos dos alunos que iniciaram o ano em nossa escola e que não reconheciam nem o alfabeto já estão em processo de alfabetização, mesmo com todas as dificuldades que lhes são inerentes.

A Escola Estadual São Geraldo já apresenta uma nova postura em relação à inclusão, pois todos têm uma nova visão e uma nova formação sobre o ato de incluir. A partir do desenvolvimento do projeto, passamos a contar com a participação de todos no processo inclusivo de nossos alunos. Foi preciso que o professor aprendesse a aprender para ensinar, foi preciso aprender com a diversidade para que todos olhassem da mesma forma para os alunos com deficiência, pois ser diferente é normal e não significa que não há aprendizado nas diferenças.

O projeto “Aprender a aprender e assim incluir”, iniciado a partir de uma observação informal, teve um comprometimento significativo, haja vista que conseguimos mobilizar grande parte da comunidade escolar e, a partir daí, criar uma nova postura em relação à inclusão.

 

Publicado na revista AMAE/Educando MAGISTRA – Edição 3 . dezembro . 2014

 

Referências:

ABRIL. Revista Eletrônica Nova Escola. As leis sobre diversidade. 2006. Disponível em Acesso em 20 maio 2014. 

GLAT, R.; BLANCO, L.de M. V. Educação especial no contexto de uma educação inclusiva. In: GLAT, R. (Org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: Sette Letras, 2007. GLAT, R.; 

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declara- ção de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca – Espanha. jun. 1994. 

PLETSCH, M. D.; FONTES, R. de S. O papel da educação especial no processo de inclusão escolar: a experiência da Rede municipal de Educação do Rio de Janeiro. In: Reunião Anual da Anped: Educação, 29/2006. Caxambu Anais… 2006.

 

Projeto participante do ‘Prêmio Educador Nota 10 – 2014”

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: