Dados de pessoas com deficiência: um desafio para a educação inclusiva

O aprimoramento da discussão sobre dados de pessoas com deficiência no Brasil foi pautado pela publicação Panorama nacional e internacional da produção de indicadores sociais, lançada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em abril. Considerando agendas nacionais e internacionais, como o Plano nacional de educação (PNE) e a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, conhecer a quantidade de crianças e jovens com deficiência no Brasil é imprescindível para promover políticas públicas de universalização do acesso à educação básica e de oportunidade de aprendizagem para todos. O desenvolvimento de indicadores fidedignos é essencial para melhor acompanhamento e garantia desse direito fundamental.

Leia também:

+ IBGE constata 6,7% de pessoas com deficiência no Brasil com nova margem de corte
+ Matrícula e presença de alunos com deficiência: dados do contexto atual

A educação inclusiva no PNE e na Agenda 2030

Aprovado pela Lei nº 13.005, em junho de 2014, o Plano nacional de educação determina metas e estratégias para a política educacional do Brasil até 2024. Sua meta 4 é “universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento educacional especializado (AEE), preferencialmente na rede regular de ensino”. Esse objetivo diz respeito ao público-alvo da educação especial, modalidade da educação transversal a todos os níveis de ensino.

Já a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, plano de ação criado em setembro de 2015 pela Organização das Nações Unidas (ONU), indica 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para erradicar a pobreza e promover vida digna para todos. O ODS 4, que trata de educação de qualidade, coloca como desafio “assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos”. Na estratégia 4.5 é ainda mais específico: “até 2030, eliminar as disparidades de gênero na educação e garantir a igualdade de acesso a todos os níveis de educação e formação profissional para os mais vulneráveis, incluindo as pessoas com deficiência, povos indígenas e as crianças em situação de vulnerabilidade”.

O cumprimento das metas do PNE precisa ser objeto de monitoramento contínuo, não só pela sociedade civil, mas principalmente pelo Ministério da Educação (MEC). Assim como, enquanto Estado-membro da ONU que se comprometeu a adotar a Agenda 2030, o Brasil deveria estar empenhado no desenvolvimento de um sistema educacional inclusivo. No entanto, ainda não é possível determinar quantas crianças e adolescentes público-alvo da educação especial temos hoje no país e, principalmente, quantas ainda estão fora da escola.

Carência de dados de pessoas com deficiência

Ainda que a coleta de dados e os indicadores do Censo demográfico sejam aperfeiçoados para que tenhamos informações mais precisas sobre o segmento (para mais informações leia o artigo IBGE constata 6,7% de pessoas com deficiência no Brasil), a área da educação continuará carecendo de dados anuais, pois o intervalo de dez anos de cada censo não permite um monitoramento constante das estratégias dessas agendas e dos impactos das políticas públicas implementadas. Além disso, para sabermos dessa população em idade escolar obrigatória que está atualmente fora de instituições de ensino, há a necessidade de dados demográficos comparáveis com os obtidos pelo Censo escolar, que apresenta anualmente a quantidade de estudantes matriculados nas escolas.

Um possível encaminhamento para essa questão seria a adoção de perguntas sobre pessoas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação na Pesquisa nacional por amostra de domicílios (PNAD), cujo objetivo principal é obter informações anuais sobre características demográficas e socioeconômicas da população, como sexo, idade, educação, trabalho e rendimento.

Como a publicação do IBGE mostra, há muito o que se avançar na produção de indicadores sociais para que possamos construir um país mais equitativo, alcançando as metas de agendas nacionais e internacionais no que diz respeito à garantia do direito humano à educação para todas e todos, sem discriminação.

 

Alexandre Moreira é licenciado em educomunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Atua na área de formação do Instituto Rodrigo Mendes (IRM).

Katia Cibas é professora de educação básica, formada em psicologia pela Universidade Braz Cubas e especializada em educação especial pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Atua na área de formação do Instituto Rodrigo Mendes.

Lailla Micas é jornalista pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e está há nove anos no terceiro setor, atuando em gestão de projetos de educação. Faz parte da área de consultoria do Instituto Rodrigo Mendes.

Artigo originalmente publicado no blog “Educação e etc” em 20/07/2018, disponível em bit.ly/dados-pessoas-com-deficiencia-educacao-inclusiva.

© Instituto Rodrigo Mendes. Licença Creative Commons BY-NC-ND 2.5. A cópia, distribuição e transmissão dessa obra são livres, sob as seguintes condições: você deve creditar a obra como de autoria de Alexandre Moreira, Katia Cibas e Lailla Micas e licenciada pelo Instituto Rodrigo Mendes e DIVERSA.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: