Webinário apresenta iniciativas de acessibilidade no ensino remoto

Transmissão destacou ações de secretarias públicas para possibilitar acesso à informação por estudantes e familiares durante o ensino remoto

O primeiro debate da continuação da série “Educação inclusiva durante a pandemia”, promovida pelo DIVERSA e pelo Instituto Rodrigo Mendes (IRM), aconteceu na última quarta-feira, 05 de agosto.

Abordando o tema “Acessibilidade informacional durante a pandemia”, a transmissão contou com a participação de Cid Torquato, secretário Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo, e Leonardo Yada, diretor do Centro de Planejamento e Integração de Sistemas (CPLIS) da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEDUC-SP), responsável pelo Centro de Mídias SP, além da mediação de Rodrigo Hübner Mendes, superintendente do IRM.

Confira na íntegra o vídeo do webinário “Acessibilidade informacional durante a pandemia”:

Saiba os principais temas abordados:

Selo de Acessibilidade Digital

Diante da grande quantidade de sites sem acessibilidade no Brasil, o secretário Cid Torquato destacou o selo municipal criado pela Prefeitura de São Paulo para certificar páginas web que cumprem os critérios estabelecidos pelas normas nacionais de acessibilidade. A ação é uma iniciativa da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) para incentivar a prática da inclusão na web.

De acordo com Torquato, o selo tem a intenção de ser nacional, alcançando o Brasil inteiro. Para isso, a secretaria trabalha em conjunto com o Ministério Público no sentido de fiscalizar quem não está cumprindo a lei.

Além dessa iniciativa, a SMPED realiza ações para auxiliar a estudantes, professores e familiares durante a quarentena. De acordo com Cid, a secretaria estuda a compra de até 400 mil tablets e pacote de dados e 4G para que estudantes da rede municipal tenham acesso aos conteúdos.

Ações da SEDUC

Já Leonardo Yada mencionou as iniciativas da SEDUC-SP para garantir o acesso ao aprendizado durante a pandemia. A primeira foi em relação ao acesso à internet. Foi realizada uma parceria com operadoras de telecomunicação para permitir o patrocínio de dados móveis durante a navegação pelos aplicativos necessários para as aulas.

A SEDUC também criou o Centro de Mídias SP, uma iniciativa para contribuir com a formação dos profissionais da Rede e ampliar a oferta de conteúdos aos alunos. Nesse espaço são encontrados conteúdos elaborados por especialistas e oferecidos por meio de tecnologias digitais.

As aulas são transmitidas a partir de estúdios de TV instalados na sede da Escola de Formação dos Profissionais da Educação (EFAPE) e podem ser acompanhadas, ao vivo, pelo portal do CMSP, e pelos aplicativos, e também pelo canal digital da TV Educação e TV Univesp.

“A ideia é chegar na maior quantidade de alunos possível aqui no Estado de São Paulo”, destaca Leonardo. Os conteúdos apresentados ficam disponíveis para consulta de alunos, responsáveis e profissionais da Rede, ampliando as possibilidades de ensino e aprendizagem, fomentando a cultura digital e permitindo maior conexão entre todos.

+ Acesse o canal do Instituto Rodrigo Mendes no Youtube!

Ensino híbrido na volta das aulas presenciais

Em relação ao retorno das aulas presenciais, Rodrigo relembrou uma das principais constatações da pesquisa “Protocolos sobre educação inclusiva durante a pandemia da covid-19”, realizada pelo IRM, sobre a importância de que a decisão em relação ao retorno das aulas presenciais preserve sobretudo o direito à educação.

Para isso, a SEDUC está se organizando para a existência de um modelo híbrido, uma vez que é esperado que nem todo mundo volte às aulas ao mesmo tempo. De acordo com Leonardo, haverá um modelo híbrido com aulas presenciais e também remotas. “Os alunos que eventualmente configurarem um grupo de risco continuam tendo acesso aos conteúdos pedagógicos das suas residências”, explica.

A SEDUC também está desenvolvendo, em parceria com a Secretaria da Saúde, um sistema de monitoramento de casos covid-19 nas escolas e diretorias de ensino. Leonardo explica que se trata de um procedimento para que as secretarias possam analisar, em conjunto, a melhor forma de atuação em situações de alunos com sintomas de covid-19.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: