Estudantes do ensino médio criam kit para ensinar física a colega cego

A chegada de André* ao ensino médio, em 2015, marcou o início de um processo de transformação da minha prática pedagógica na escola Professor Nagib Coelho Matni, em Belém (PA). Cego de nascimento, o estudante passou a frequentar minhas aulas de física, o que me despertou para a questão: como garantir que uma pessoa com deficiência visual aprendesse a disciplina? Compartilhei a dúvida com toda a turma, provocando discussões sobre inclusão social, equidade e igualdade. Desse diálogo entre os adolescentes, tivemos a ideia de confeccionar materiais para que o colega pudesse compreender conceitos de óptica por meio do tato.

Localizada no bairro do Coqueiro, periferia da capital paraense, a Nagib Coelho Matni oferece cerca de 1.500 vagas para alunos dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. Sou professor de física na unidade. Durante o desenvolvimento do projeto, procurei fazer com que os estudantes fossem protagonistas de seu próprio processo de aprendizagem, incentivando-os a pesquisar e estudar por conta própria e a trabalhar em conjunto. Da concepção à confecção dos produtos educacionais, todo processo criativo foi conduzido por eles.

 

A responsabilidade pela inclusão

Como falar sobre luz, cores e formação de imagens para quem não enxerga? Nosso primeiro passo diante desse desafio foi estudar o que era a inclusão de pessoas com deficiência na educação. Para isso, toda a turma leu artigos e assistiu a reportagens sobre o tema. A principal questão levantada foi: quem era responsável por garantir que André aprendesse física? O Estado? A escola? A família?

Para desafiá-los a buscar soluções, as aulas teóricas de óptica foram dadas com todos vendados. Sem contar com a visão, eles perceberam como a presença de poucos recursos sonoros e táteis tornava difícil a compreensão da matéria. Após esse contato com a disciplina a partir da perspectiva de uma pessoa que não vê, os alunos concluíram que eles mesmos poderiam criar mecanismos para que o colega aprendesse.

 

Pesquisa sobre ensino de física para cegos

Em seguida, os estudantes dividiram-se em grupos. Cada conjunto ficou responsável por pensar em um objeto que permitisse a um cego compreender um determinado conceito da óptica. Os temas trabalhados foram: refração, reflexão e dispersão da luz e formação de imagens em espelhos.

A criação dos materiais foi precedida por uma intensa pesquisa sobre ensino de física e inclusão. Nessa etapa, o trabalho de Eder Pires de Camargo foi bastante explorado. Professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Camargo é referência no assunto e foi a primeira pessoa com deficiência visual a obter livre-docência no Brasil. A turma leu seus artigos e assistiu a vídeos onde o pesquisador faz uso de recursos não visuais.

Outros especialistas foram consultados. Em visita à Universidade Federal do Pará (UFPA), a classe conversou com Jorge Adonai Coelho Brasil, professor cujo trabalho de conclusão de curso teve como tema “Propostas de ensino de física para alunos com deficiência visual”. Lá, eles também conheceram e receberam orientações de Simone da Graça de Castro Fraiha, outra referência na área.

Foram os próprios adolescentes que encontraram o trabalho desses pesquisadores na internet.

 

A montagem dos materiais

Após a etapa de pesquisa, os estudantes começaram a produzir os objetos de aprendizagem, usando materiais reutilizáveis ou de baixo custo. Além de fazer parte de um dos grupos, André foi responsável pelos testes de qualidade de todos os produtos. Com isso, esteve em contato com toda a turma, avaliando se os recursos criados atendiam à proposta de ensinar fenômenos ópticos sem a necessidade de recorrer à visão.

Os conceitos abordados e os respectivos objetos criados para o kit de ensino de física foram:

Duas bonecas estão de frente uma para outra. Uma placa de acrílico está fixada verticalmente entre elas, simulando um espelho. Fios de cores diferentes ligam os mesmos pontos nas duas bonecas.
Material criado para ensinar formação de imagens em espelhos planos. Foto: Arquivo pessoal.
1) Formação de imagens em espelhos planos: sobre uma base quadrangular de madeira, os alunos fixaram duas bonecas idênticas, uma de frente para a outra e em lados opostos da tábua. No centro da estrutura, uma placa de acrílico foi fixada verticalmente. Linhas de crochê foram usadas para “ligar” as duas bonecas, saindo da cabeça de uma até o mesmo ponto na cabeça da outra, por exemplo, passando por pequenos furos na lâmina transparente.

Nesse artefato, uma das bonecas representa o objeto real e a outra, a imagem virtual formada no espelho plano (o acrílico transparente). Os fios são os raios de luz.

Três placas de acrílico formam um triângulo. A luz branca, representada pela união de diferentes fios de crochê, atravessa uma das placas e, dentro do prisma, se dispersa em sete fios de cores e texturas diferentes. Esses fios saem atravessando outra placa de acrílico.
Linhas de texturas diferentes representaram as diversas cores. Foto: Arquivo pessoal.
2) Refração, dispersão da luz e formação das cores: sobre uma base, os estudantes montaram um prisma, usando placas translúcidas. Como cada cor tem seu próprio comprimento de onda e frequência, linhas de diferentes texturas foram usadas para serem as cores. O vermelho, por exemplo, possui o maior comprimento de onda e, por isso, foi representado por um cordão grosso. Já o violeta, com comprimento menor, foi retratado por um fio fino.

Disco de Newton feito com uma base de madeira, uma haste vertical e um disco fixado na ponta. A circunferência está dividida em sete pedaços. Em cada fatia, os alunos colaram fios das sete cores do espectro da luz.
Com um disco de Newton feito com fios de crochê, André compreendeu a composição da luz branca. Foto: Arquivo pessoal.
Antes de passar pela primeira lâmina de acrílico, as diversas linhas foram unidas e encapadas. Esse “fio” formado pela união das cores retrata a luz branca. Ao passar pelo prisma, ocorre o fenômeno da dispersão e as cores saem separadas do outro lado da estrutura.

3) Composição da luz branca: um disco de Newton foi confeccionado para mostrar como a luz branca é composta por todas as cores. O objeto consiste em uma base de madeira, uma haste vertical e, na ponta, um disco que gira em torno de um eixo fixo. A circunferência foi dividida em sete “fatias”, onde foram colados sete fios diferentes. Com o disco parado, André reconhecia pelo tato as várias texturas, ou seja, as diferentes cores. Com o objeto em movimento, ele perdia essa noção e tinha a impressão de sentir uma única superfície, tal como ocorre com a luz branca.

Uma estrutura de canos de PVC, fios e duas velhas simulando um espelho côncavo, os raios de luz, o objeto e sua imagem.
Estrutura criada para ensinar formação de imagens em espelhos côncavos. Foto: Arquivo pessoal.
4) Formação de imagens no espelho côncavo: a turma montou uma estrutura de canos de PVC. Um tubo envergado foi usado para representar um espelho côncavo e, para destacá-lo, ele foi revestido com uma fita azul. Os outros tubos serviram para sustentar os demais elementos da peça. Em um eixo central, foram fixadas duas velas: uma sendo o objeto real e a outra, sua imagem. Com linhas de crochê distintas, os estudantes representaram os raios de luz, evidenciando a formação de uma imagem invertida menor ou maior que o objeto real, dependendo da distância da vela com relação ao centro de curvatura do espelho.

 

Os resultados da iniciativa para a escola

Quando os alunos foram colocados diante do desafio de ensinar óptica para alguém que não enxerga, eles começaram a compreender o que é inclusão social e qual sua importância. André, que chegou ao ensino médio tímido, se envolveu mais com a turma e se tornou mais participativo nas aulas. A pedido dos próprios colegas e professores, ele decidiu aprender braille.

Enquanto educador, procurei ser provocador e entusiasta. Mediei todo o processo, dividi os grupos, mostrei os possíveis caminhos para a pesquisa e fui responsável por organizar os encontros com os especialistas da área. A experiência foi edificante e eu aprendi muito.

A escola Nagib Coelho Matni, depois do projeto, passou à comunidade um kit de ensino de óptica por meio do tato. Há intenção de dar continuidade ao trabalho, produzindo materiais educacionais para ensinar outros temas de física e de outras disciplinas.

* Nome fictício.

Projeto participante do Desafio Criativos na Escola de 2017

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: