Marcia Aparecida Granja

O Projeto de Educação Física Inclusiva norteou os trabalhos que vinham sendo realizados com o aluno do 8º ano. No início de 2012 foi implantada a sala de recursos multifuncionais na EMEB Esmeralda.

Inicialmente fiz o estudo de caso do referido aluno que apresenta baixa visão e deficiência intelectual com grande atraso na motricidade. Observei o aluno em sala de aula comum e conversei com a ADI (Auxiliar de Desenvolvimento Infantil), que o acompanhava e percebi que o aluno, durante todas as aulas, cobria pontilhado ou pintava um desenho.

Iniciei na sala de recursos atividades para desenvolver a coordenação motora fina e ampla e percebi que o aluno tinha condições de realizar atividades de escrita. Orientei professores e ADI sobre as atividades que poderiam ser aplicadas ao aluno e percebi que a ADI se empenhou bastante para auxiliar o aluno, assim como alguns professores. 

Ao final do primeiro semestre de 2012, o aluno já estava escrevendo seu nome, identificando algumas letras e realizando atividades de recorte, rasgadura e colagem, bem como, realizando pintura dentro de espaços delimitados. Trabalhei com formas geométricas e o aluno começou a desenhar a figura humana e frutas com formas arredondadas, o que auxiliou muito nas atividades de escrita. Com a aplicação de exercícios de coordenação motora ampla o aluno passou a ter melhor noção espacial. 

No ano de 2013, com a implementação do Projeto de Educação Física Inclusiva e com auxílio do professor Mauro Leite para realização de exercícios de coordenação motora ampla, o aluno melhorou sua socialização e passou a ter autonomia na realização das atividades. 

Os professores de História, Matemática, Espanhol e Geografia perceberam melhora no desenvolvimento e aprendizagem do aluno e estabeleceram parceria com a professora da sala de recursos multifuncionais para o uso de equipamentos e sugestões de atividades a serem trabalhadas em sala de aula. 

O aluno Cristian demonstrou interesse em realizar atividades escritas no computador, pesquisar nomes de cantores preferidos e identificar a inicial da letra dos nomes dos colegas e professores, desenhou uma casa e a escola com uso de régua, melhorou o traçado de letras que utilizam linhas retas e inclinadas.

Uma das estratégias previstas para o projeto de Educação Física Inclusiva foi a apresentação do mesmo no programa "Roda de Conversa", onde conseguimos expor para equipe gestora, professores e funcionários, o resultado obtido com o aluno Cristian.

Na EMEB Esmeralda observamos um aluno da educação infantil (4 anos) que nasceu sem o globo ocular (olho esquerdo). A Professora de Educação Física, Marley Pontes, em parceria com a professora Marcia Granja da Sala de Recursos Multifuncionais e a professora de Artes, realizaram exercícios para desenvolver a coordenação motora fina com atividades de pintura, rasgadura, modelagem, colagem e recorte. Essas atividades foram aplicadas a todos os alunos da Educação infantil. O aluno participou com entusiasmo de todas as atividades realizadas e melhorou sua noção espacial, bem como sua coordenação motora para desenhar, escrever e pintar.

Este projeto teve o objetivo de desenvolver capacidades físicas e intelectuais em alunos com baixa visão e proporcionar condições para que o aluno desenvolva em sala de aula atividades de leitura, escrita, com autonomia, bem como melhore sua atenção, concentração e socialização.

 

Participante do projeto Portas abertas para a inclusão – 2013.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: