O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Luziete Silva de Lima

Quando cheguei na Escola Clarisse Fecury, em 2009, tive uma estudante com deficiência intelectual. Ela tinha 12 anos, andava suja, não obedecia e muito menos respeitava os funcionários. Os colegas da escola não gostavam dela porque ela batia neles no intervalo e na saída da aula.

Minha turma era ótima e me ajudou a trabalhar com a aluna. No inicio, trabalhei somente o diálogo. Depois fui a envolvendo nos grupos, pedindo que ela me ajudasse, para que ela se sentisse útil e importante. Em dois meses ela já vinha limpa, eu fazia elogios, abraçava ela e fazia os colegas a elogiarem também. Ela participava das aulas, não batia mais nos colegas e já obedecia a todos na escola.

Ela demonstrou que era capaz de aprender e ajudar os colegas. Tive sorte porque recebemos o apoio da família, da equipe da escola com materiais e incentivo para a autoestima dos alunos com deficiência.

LUZIETE SILVA DE LIMA, PROFESSORA MULTIDISCIPLINAR

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: