Devo reprovar um estudante que escreve de forma ilegível?

Boa tarde! Tenho alguns alunos com fraco desempenho escolar. Muitos deles sem diagnóstico. Temos um planejamento adaptado, fazemos prova adaptadas. Mas minha dúvida é em reprovar ou não?

Ex: tenho um aluno do 6º ano com problema articulatório, escreve muito errado, a letra ilegível, e desde o 2º ano, estamos fazendo provas adaptadas, decifrando o que escreve na prova, e mesmo com todas as intervenções que a escola tem feito, ele continua com a letra ilegível e agora no fundamental 2 os professores mal conseguem ler o que ele escreve.

O aluno já passou há 2 anos na psicóloga que após a avaliação o indicou para uma fono, psicopedagoga, exercícios físicos e etc, só que até agora nada foi feito. Minha dúvida é, o aluno tem conhecimento, suas notas são na média ou média para baixo, mas sua letra continua ilegível, e sabemos que é um requisito que será necessário para sua formação, afinal escrevemos para nos comunicar. Continua falando errado, quase não faz tarefas. Passar ele de ano mesmo sabendo dessas dificuldades o ajuda ou não? Caso ele saia dessa escola, será que outras escolas terão esse olhar para esse aluno? Estou fazendo o correto ou deveria retê-lo?

Avaliação

3 respostas

Por Maria de Lourdes de Moraes Pezzuol em 02/04/2019

Olá, enquanto professora especialista no Atendimento Educacional Especializado (AEE) para alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na rede pública do Estado de São Paulo, me deparo também com a situação de alunos com grandes dificuldades de aprendizagem para além dos alunos que atendo, onde auxilio a gestão escolar a realizar relatórios pedagógicos. Identifico que não adianta ter uma proposta adaptada, uma avaliação, se não condiz com o perfil de cada aluno. Não podemos padronizar essas adaptações. O diagnóstico médico apenas indicará o tipo de transtorno ou a deficiência intelectual em seus códigos na classificação do Código Internacional de Doenças (CID). Mas precisamos ir além, identificar o perfil do aluno de forma pedagógica, nortear um mapeamento por uma avaliação que registre suas dificuldades e enfatize suas potencialidades.

Em meus registros e avaliações pedagógicas, eu utilizo as seguintes situações:

• A interação social: observar a interação social do aluno dentro da escola com as pessoas e com grupos, identificar se o aluno tem amigos;
• Funções comunicativas: o modo como se expressa, sua comunicação oral e sua escrita, importante identificar seus gostos e suas afinidades;
• Funções cognitivas: observar sua atenção, percepção, se existe iniciativa e como ela se realiza para a tomada de decisões, quais as estratégias utilizadas para solução de pequenos problemas;
• Perfil comportamental: observar como o aluno age e se comporta diante de situações rotineiras na escola, sala de aula, na hora do intervalo em atividades individuais em grupos.

Esses registros precisam estar integrados com relatos, também da família, das particularidades de ações e atitudes em casa e no meio social em que o aluno vive além da escola. Proposta investigativa pedagógica que não irá apontar apenas as dificuldades e limitações, mas o que o professor e a escola podem propor e criar para adaptar e melhorar suas habilidades para incentivar suas potencialidades.

Cito um exemplo. Tenho um aluno que apresenta uma letra ilegível. Constatei que ele sabe identificá-las e que realiza a leitura, mas realiza uma sequência de letra grupada totalmente ilegível. Criei uma estratégia: adaptei folhas quadriculadas e quadriculei também um caderno meia pauta que contém metade da folha do caderno de desenho com linhas e outra em branco. Essa adaptação realiza uma configuração diferente. A ideia é que esses espaços sejam livremente aproveitados pelo aluno com sua criatividade e que, usando-os, ele vá percebendo que uma palavra, uma frase ou uma história pode se contar com palavras e imagens.

Relato a você que a letra desse aluno está totalmente legível. E sua autoestima aumentada, pois o mesmo se sente valorizado diante de um aprendizado com significações. Enquanto educadores não podemos curar os déficits cognitivos desses alunos, com laudos clínicos ou não, mas podemos identificar suas dificuldades de aprendizagem e propor propostas efetivas adaptadas aos seus perfis no desafio de auxiliar a melhorar sua qualidade de vida.

Em relação ao aluno ir para outra escola, deixe seu relatório pronto com registros de atividades e seu portfólio. Mesmo não existindo no sistema educacional uma proposta de comunicação direta e efetiva que articule entre as escolas um cadastro anual do aluno em relação ao seu perfil pedagógico, peça para sua coordenadora enviar, ou faça como eu fiz no ano de 2017, no final do último bimestre. Coloquei o portfólio com fotos, registros de atividades e até mesmos os cadernos de um dos meus alunos com TEA que havia concluído o ensino fundamental e teria que estar frequentando outra escola próxima de ensino médio. Solicitei junto com a coordenação pedagógica uma reunião com a mãe do aluno e a coordenação da futura escola para expor o perfil do aluno para que a escola pudesse estar preparada e adaptada para recebê-lo. Deixo uma frase para reflexão:

A avaliação não tem o objetivo de aprovar ou reprovar. A criança avança conforme sua autonomia e seu ritmo

(José Pacheco e Maria de Fátima Pacheco, 2012).

100% Acham isso útil Esta resposta te ajudou?
Por TÂNIA MARIA DE ANDRADE em 28/03/2019

claro que não deve-se reprovar esse ou outro aluno parecido no caso citado devemos considerar o seu nível de aprendizagem, porém seu nível de aprendizagem esteja em outro caminho.

Esta resposta te ajudou?
Por Luciana Araújo da Silva lima em 18/04/2019

Boa noite, tenho algumas experiências de alunos com dificuldade na caligrafia, porém, os mesmos não têm baixo rendimento escolar, por isso que não reprovo!

Esta resposta te ajudou?
Conhece alguém que pode responder? Compartilhe um link para a pergunta.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: