Uma iniciativa Instituto Rodrigo Mendes

Como as estratégias pedagógicas favorecem a educação inclusiva?

O que são estratégias pedagógicas?

As estratégias pedagógicas correspondem aos diversos procedimentos planejados e implementados por educadores com a finalidade de atingir seus objetivos de ensino. Elas envolvem métodos, técnicas e práticas explorados como meios para acessar, produzir e expressar o conhecimento. 

No contexto da educação inclusiva, recomenda-se que o ponto de partida seja nas singularidades do sujeito, com foco em suas potencialidades. Se por um lado a proposta curricular deve ser uma só para todos os estudantes, por outro, é imprescindível que as estratégias pedagógicas sejam diversificadas, com base nos interesses, habilidades e necessidades de cada um. Só assim se torna viável a participação efetiva, em igualdade de oportunidades, para o pleno desenvolvimento de todos os alunos, com e sem deficiência. 

Como desenvolver estratégias pedagógicas inclusivas?

O ponto de partida deve ser o próprio estudante. É preciso se empenhar em conhecê-lo bem. Partir do seu repertório e dos seus eixos de interesse torna o processo de ensino-aprendizagem muito mais espontâneo, prazeroso e significativo. Uma dica é se perguntar com frequência: o que cada um deles sabe sobre o conceito a ser trabalhado? Como seus interesses podem ser explorados como facilitadores do ensino de cada conteúdo? 

Vale ressaltar a importância de observar as barreiras existentes e investir na diversificação de estratégias pedagógicas. O profissional de Atendimento Educacional Especializado (AEE) tem o papel de colaborar com esse processo. Professores criativos ou que já tenham experiência com inclusão de estudantes com deficiência também podem ser bons parceiros. 

Exemplo disso aconteceu na Escola Municipal de Educação Básica Professora Maria Therezinha Besana, em São Bernardo do Campo (SP). Ao chegar na unidade, Gustavo, um aluno com autismo, começou a apresentar dificuldades no processo de alfabetização. A situação se modificou quando suas educadoras passaram a contextualizar as atividades de acordo com os gostos e interesses do garoto. Saiba mais. 

APRENDA A EXPLORAR OS INTERESSES DOS ALUNOS EM SALA DE AULA 

Atividades para alunos com um mesmo diagnóstico devem ser iguais?

Durante muito tempo acreditou-se ser possível generalizar as características das pessoas e, assim, padronizar estratégias pedagógicas a partir de um mesmo quadro diagnóstico. Atualmente, essa noção é, no mínimo, simplista. Ainda que apresentem pareceres diagnósticos absolutamente iguais, duas pessoas podem reagir às mesmas estratégias de maneiras totalmente distintas. 

Não há, portanto, “receitas prontas” ou manuais de atividades ideais, indicando exatamente como ou o que trabalhar com um aluno com esse ou aquele diagnóstico. E isso não se aplica somente a pessoas com alguma deficiência. Posto que a diferença é inerente à condição humana, o processo de aprendizagem de cada estudante se torna singular. 

Leia também: 

+ O papel da escola quando há hipótese de diagnóstico de deficiência 

+ O efeito do diagnóstico sobre o olhar da escola 

NÃO HÁ RECEITAS PARA INCLUIR. SAIBA MAIS 

Qual a relação entre estratégias pedagógicas e fracasso escolar?

Partindo do pressuposto de que toda pessoa aprende, quando isso não acontece, pode ser que o problema resida nas estratégias pedagógicas adotadas em sala de aula. É por meio delas que o estudante se conecta ao currículo, ou seja, acessa o conhecimento. Quando o planejamento não leva em conta as particularidades de cada aluno, as estratégias pedagógicas podem constituir uma das principais barreiras à inclusão educacional de alunos com e sem deficiência. 

CONFIRA OPINIÃO DE ESPECIALISTA SOBRE HOMOGENEIDADE E FRACASSO ESCOLAR 

O que fazer quando um aluno “não aprende”?

Na verdade, não são os estudantes que não aprendem. A escola é que, muitas vezes, não está habituada a lidar com a diferença e, assim, não oferece estratégias pedagógicas que favoreçam a criação de vínculos, as relações de troca e o acesso ao conhecimento. Um dos princípios da educação inclusiva é justamente esse: toda pessoa aprende, sejam quais forem suas particularidades intelectuais, sensoriais e físicas. O que remete a outro princípio: o processo de aprendizagem de cada pessoa é singular. Por isso, torna-se fundamental avaliar cada situação, a fim de encontrar meios de garantir a inclusão efetiva de qualquer estudante, independentemente do laudo que o acompanha. 

E a colaboração do profissional do Atendimento Educacional Especializado (AEE) nesse processo pode ser determinante, considerando que, segundo a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, esse serviço tem a função de identificar, elaborar e organizar recursos pedagógicos e de acessibilidade para a eliminação de barreiras para a plena participação dos alunos, levando em conta suas necessidades específicas. 

Confira algumas histórias de educadores que apostaram nessa colaboração para criar estratégias pedagógicas: 

Educação física e AEE se unem para incluir aluno com autismo em circuito motor 

Em Curitiba (PR), professoras ajudam garoto a vencer barreira do isolamento ao criar atividades motoras e corridas de revezamento para turma do 4º ano do ensino fundamental. 

Portas abertas para a inclusão – Circuito motor e corrida 

Com apoio do AEE, professoras flexibilizam atividades para estudante autista 

Docentes da sala comum e da Sala de Recursos Multifuncionais se unem para desenvolver estratégias a partir de interesses de adolescente com autismo 

VEJA OUTRAS PRÁTICAS DE TRABALHO COLABORATIVO ENTRE AEE E SALA REGULAR 

O que são materiais pedagógicos acessíveis?

Material pedagógico é todo e qualquer recurso utilizado em sala de aula com uma finalidade específica de ensino e aprendizagem. 

A educação inclusiva prevê o uso de diferentes materiais pedagógicos para alcançar um mesmo objetivo de ensino. Nesse caso, a referência para a escolha ou desenvolvimento de atividades deve ser o próprio estudante, suas necessidades (baseadas em características físicas, sensoriais ou outras), seus interesses e habilidades, visando sempre a equiparação de oportunidades. 

COMO GARANTIR A ACESSIBILIDADE DOS MATERIAIS PEDAGÓGICOS? 

Faça parte da nossa comunidade