DIVERSA investiga práticas inclusivas em escola da Argentina

A equipe do DIVERSA esteve em Buenos Aires, na Argentina para realizar um estudo de caso na Escola Rumania. A diretora, Silvana Corso, tem formação em educação especial e assumiu a bandeira da inclusão na unidade, que desde 2008 recebe estudantes com deficiência em turmas regulares. Ao todo, são 560 estudantes, sendo 15 com deficiência e 140 professores.

Leia também:
+ O Caso da Escola Rumania

Para possibilitar a recepção desses alunos, Silvana se uniu a cinco outras escolas da região para montar um curso de formação em educação inclusiva para seus funcionários, em 2010. Apesar da Argentina não ter uma política específica de implantação de salas de recursos, Silvana aproveitou-se de um plano nacional de desenvolvimento da educação para contratar especialistas que possam dar apoio aos seus professores. Atualmente, ela está promovendo uma formação interna, com auxílio desses profissionais, para efetivar as práticas inclusivas na escola.

Políticas públicas

Além de conhecer essa escola, a equipe entrevistou o Ministro da Educação de Buenos Aires, Esteban Bullrich, e sua equipe, que contaram as medidas e desafios que o país está vivenciando para consolidar o paradigma inclusivo. Apesar de ainda existirem escolas especiais segregadas, a equipe do ministério acredita que a tendência é que os alunos, hoje, frequentem escolas regulares.

A equipe também conversou com a coordenadora da Comissão para a Plena Participação e Inclusão das Pessoas com Deficiência do Governo da Cidade de Buenos Aires, Florência Braga Menéndez e, a seu convite, assistiu a uma partida de rugby em cadeira de rodas. Florência falou sobre a criação de um fórum do Mercosul dedicado à inclusão das pessoas com deficiência na América Latina.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: