O IRM utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos portais, de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Dia do químico: confira como tornar a disciplina inclusiva

Entrevistados apontam o uso de materiais pedagógicos acessíveis e a formação docente como práticas a fim de promover a aprendizagem e a inclusão em química

Por Luan Brito

Em 18 de junho é celebrado o Dia Nacional do Químico, data escolhida por ser a mesma em que foi promulgada a Lei nº 2800/56, conhecida como a “Lei Mater dos Químicos”, que regulamentou o exercício da profissão no país.

A atividade está relacionada à ciência natural que trata principalmente das propriedades das substâncias, das transformações que elas sofrem e das leis que as regem.

Na área da educação, a química faz parte do ensino médio, mas tornou-se uma matéria não obrigatória aos estudantes, que comumente consideram o conteúdo de difícil compreensão. Aliado a isso, a inclusão é outro paradigma a ser quebrado dentro da disciplina, em busca da construção do conhecimento científico de todas e todos.

Em sala de aula, aluna apoia os braços sobre mesa e movimenta peças do jogo da tabela periódica. Dois colegas a observam. Fim da descrição.
Foto: Paulo Fehlauer. Fonte: Instituto Rodrigo Mendes.

Para incentivar o ensino inclusivo de qualidade em química e em outras disciplinas, o DIVERSA conversou com profissionais da área, que citam exemplos práticos de atividades inclusivas a fim de auxiliar educadoras e educadores.

Saiba mais 

+ Os desafios na construção de sistemas educacionais inclusivos 

Uso de materiais pedagógicos acessíveis

Os materiais pedagógicos acessíveis são recursos desenvolvidos por educadores no intuito de apoiar o processo de ensino-aprendizagem de estudantes. A professora de química Alda Enerstina, do Instituto Federal de Minas Gerais – Campus Bambuí (IFMG), entende que materiais que colocam estudantes no papel de protagonistas são essenciais.

“Precisamos vencer essa barreira do ensino tradicional, que ainda prevalece. As metodologias ativas e os materiais, que de fato possibilitea o estudante colocar em prática, de forma concreta, o conhecimento adquirido em sala, são fundamentais para a aprendizagem”, afirma a educadora.

Em 2020, durante a suspensão das aulas presenciais por conta da pandemia de covid-19, Alda participou de um curso básico de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Apesar de naquele momento não estar atuando com estudantes público-alvo da educação especial, ela decidiu contribuir com a educação inclusiva ao criar a Tabela Periódica em Libras.

Imagem mostra representação do carbono na tabela periódica, com a simbologia do elemento em Libras e em Língua Portuguesa. Na parte inferior direita há o desenho de uma pedra de gelo, que representa um estado físico sólido. Na parte inferior esquerda há o desenho de um lápis, que representa a classe não metal. Na parte superior há o número 6, representando o número atômico do carbono. E, na superior direita, sua distribuição atômica: [He]2s22p2. Fim da descrição.
Foto: Alda Enerstina. Fonte: Tabela Periódica Acessível.

Segundo a professora, já existiam materiais semelhantes, mas todos impressos: “Encontrei algumas tabelas voltadas ao público surdo sinalizante, mas todas em papel. Com isso, comecei a elaborar uma tabela periódica em Libras para o formato digital. Usei o conhecimento da formação em Libras e ferramentas básicas de design.”

Com o mesmo objetivo de contribuir para a inclusão, o estudante de química Ronaldo Lima Carneiro, do Instituto Federal do Ceará – Campus Caucaia (IFCE), desenvolveu o cubo químico em braile.

Imagem mostra representação do carbono na tabela periódica, com a simbologia do elemento em Libras e em Língua Portuguesa. Na parte inferior direita há o desenho de uma pedra de gelo, que representa um estado físico sólido. Na parte inferior esquerda há o desenho de um lápis, que representa a classe não metal. Na parte superior há o número 6, representando o número atômico do carbono. E, na superior direita, sua distribuição atômica: [He]2s22p2. Fim da descrição.
Foto: Ronaldo Carneiro. Fonte: Arquivo pessoal.

O estudante teve a ideia após participar de palestras sobre inclusão e por conta da disciplina de educação especial do seu curso: “Ao pesquisar recursos acessíveis, identifiquei a carência de materiais pedagógicos voltados ao público cego, por isso iniciei esse trabalho”.

Os cubos trazem informações em braile sobre a identificação de todos os elementos químicos de cada família da tabela periódica: “Após assimilar a leitura da tabela, a pessoa com deficiência visual também vai conseguir aprender as ligações químicas, que também estão nos cubos”, relata o estudante.

Para atender, de fato, estudantes com deficiência, o cubo químico em braile está em etapa final de teste, na qual Ronaldo está padronizando o conteúdo dos materiais.

Confira outro material pedagógico acessível 

+ Jogo aproxima elementos químicos ao cotidiano de estudantes 

Somente o material pedagógico não basta

Embora os materiais pedagógicos acessíveis sejam essenciais para o processo de ensino-aprendizagem, sozinhos eles não são suficientes para promover o aprendizado e a inclusão.

A professora de química Samanta Arruda, que já atuou na rede estadual de São Paulo, acredita que o trabalho colaborativo também é importante: “Precisamos fazer com que as estratégias sejam para todos, por meio do trabalho em equipe, envolvendo todos que possam ajudar. É importante que as experiências em sala sejam acessíveis, contemplando todos os estudantes, para melhor entendimento do conteúdo.”

Leia mais 

+ Trabalho colaborativo é parte de estratégia para receber jovem com TEA 

Já Alda Enerstina entende que a interdisciplinaridade é um meio para possibilitar ainda mais a compreensão das aulas: “Trabalhar com projetos, de preferência interdisciplinares, é uma via para conseguir um aprendizado de todos. Fazer trabalhos em locais não convencionais, como museu e laboratórios, por exemplo, ajuda muito”.

Em consonância com as educadoras, Ronaldo Carneiro aponta a formação continuada como parte essencial da educação inclusiva: “O material é parte do ensino, é parte da inclusão, mas o educador é fundamental para promover o ensino. A pesquisa e a formação continuada são essenciais para criação de estratégias pedagógicas assertivas”.

A fim de possibilitar que mais educadores utilizem o cubo químico em braile, o estudante cederá o conteúdo para o Instituto Federal do Ceará, que disponibilizará o material a professoras, professores e demais interessados no tema.

Continue lendo 

+ Planejamento pedagógico na perspectiva inclusiva 
+ Criatividade a favor de uma educação inclusiva de qualidade 

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: