Escola realiza gincana entre crianças e famílias para se aproximar de comunidade

Após observar o afastamento das famílias da vida escolar de seus filhos, nós, um grupo de educadoras da Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Juarez Sodré Farias, em Cuiabá, decidimos criar estratégias para atrair mães, pais e responsáveis de volta à unidade. Na época, éramos participantes do curso sobre educação inclusiva Portas abertas, do Instituto Rodrigo Mendes (IRM). Desafiadas pela proposta da formação de desenvolver atividades físicas que pudessem ser praticadas em conjunto por nossos estudantes com e sem deficiência, e dispostas a reaproximar a comunidade da instituição, elaboramos uma gincana familiar. Por meio da iniciativa, os familiares voltaram à escola, desta vez para brincar com todas as crianças.

Time formado por três mulheres adultas e quatro crianças puxa uma corda durante brincadeira de cabo de guerra com as famílias.
Com gincana entre crianças e adultos, escola tomou iniciativa para se aproximar das famílias. Foto: Pat Albuquerque.
A EMEB Juarez Sodré Farias atendia cerca de 310 alunos da educação infantil nos turnos matutino e vespertino. Quatro deles apresentavam transtorno do espectro autista (TEA) e realizavam o atendimento educacional especializado (AEE) na própria unidade, no horário de contraturno. Todos participaram das brincadeiras da gincana junto com seus responsáveis e colegas.

 

Momentos de diálogo e diversão com as famílias

A ausência das famílias da vida escolar de seus filhos, muitas vezes, se dá não por falta de interesse, mas de oportunidade. Com o projeto, tivemos a intenção de proporcionar essa chance. Para isso, desenvolvemos estratégias para trazê-los para dentro da instituição de maneira não invasiva. Para todas as ações, pais, mães e responsáveis foram convidados a participar com antecedência, por meio de bilhetes colocados no material dos pequenos.

Dois meninos sustentam uma laranja pela testa.
As brincadeiras selecionadas para a gincana já faziam parte do repertório das aulas de educação física dos estudantes. Foto: Pat Albuquerque.
Nossa primeira iniciativa foi estabelecer momentos de conversas informais com a comunidade sobre assuntos como diferenças, família e escola. No primeiro encontro do “sarau com prosa”, como nomeamos esses espaços de troca, exibimos o clipe “Normal é ser diferente”, de Jair Oliveira, e a animação “Cuerdas”, sobre a amizade entre uma menina e um garoto com paralisia cerebral. Para o segundo sarau, convidamos a mãe de uma de nossas estudantes com autismo. Em seu depoimento, ela contou sobre seu processo de aceitação da deficiência, sua experiência em uma instituição privada na qual a filha era deixada de lado, suas impressões sobre a inclusão na rede pública etc. Durante as conversas, procuramos deixar os familiares à vontade para participar e trocar ideias.

Durante uma festa já tradicional da unidade, aproveitamos para introduzir a participação das crianças no projeto. Nesse dia, orientamos a equipe docente a comandar as seguintes brincadeiras:

• Reconhecimento pelo toque: com os olhos vendados, os alunos tentaram descobrir quem era seu pai, mãe ou responsável por meio do toque no rosto. Em seguida, foi a vez dos adultos identificarem seus filhos.

• Estoura balão: cada jogador carregou um balão amarrado ao tornozelo por um barbante. O objetivo da brincadeira era estourar a bexiga do colega sem deixar que estourassem a sua.

• Mímica: cada participante deveria pegar uma figura de dentro de um saco para fazer gestos para que os outros tentassem adivinhar. Só não valia emitir som.

 

A gincana familiar

Uma mulher e um garoto com as pernas amarradas um ao outro correm abraçados pelo pátio.
Grande parte das brincadeiras foi realizada em duplas entre um adulto e um aluno. Foto: Pat Albuquerque.
Por fim, realizamos a gincana entre estudantes e famílias. No primeiro dia participaram as turmas de quatro anos dos períodos matutino e vespertino. As atividades com as classes de cinco anos ocorreram no dia seguinte, também nos dois horários. Por não haver uma quadra de esportes na unidade, as brincadeiras aconteceram no pátio.

Durante os quatro momentos de realização da gincana estiveram presentes cerca de 50 familiares, além de toda equipe da escola. Ao longo das atividades, que foram coordenadas pela professora de educação física, tivemos a preocupação em não incentivar a competição. Por isso, embora houvesse quem chegasse primeiro, não valorizamos esses momentos de premiação. Sempre que uma atividade acabava, passávamos rapidamente para a próxima, incentivando a participação e flexibilizando as regras para quem apresentasse mais dificuldade. Ganhar era ter todo mundo se divertindo junto.

Em duplas formadas preferencialmente por um adulto e um aluno, os participantes realizaram as seguintes atividades:

• Corrida com os pés amarrados: as duplas percorreram um caminho determinado com os pés amarrados um ao outro;

Três crianças de mãos dadas tentam passar um bambolê pela fila sem soltar-se.
Durante o passa bambolê, quem tivesse dificuldade para realizar o movimento ganhava uma segunda chance. Foto: Pat Albuquerque.
• Corrida do limão: um dos integrantes da dupla deveria levar um limão equilibrado sobre uma colher até seu companheiro, do outro lado do pátio. Quando a fruta caia, o jogador voltava para o início do percurso;

• Cabo de guerra: dois times, formados pelo mesmo número de pessoas, deveriam puxar a corda para o seu lado;

• Passa bambolê: crianças e adultos ficavam um ao lado do outro de mãos dadas. O objetivo da brincadeira era fazer um arco chegar até a outra ponta da fila sem soltar-se. Para permitir que todos pudessem executar a tarefa, quem tivesse dificuldades ganhava uma segunda chance;

• Dança da laranja: duplas de estudantes deveriam dançar com a fruta presa pelas testas sem deixá-la cair. A flexibilização feita foi manter a brincadeira rolando mesmo quando alguém apoiava a laranja com a mão.

Veja como a gincana familiar aconteceu na Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Juarez Sodré Farias:

O vídeo está disponível com recursos de acessibilidade em Libras e audiodescrição.

 

Resultados da iniciativa

Mesmo com uma participação abaixo da nossa expectativa, sentimos que a fala da mãe da aluna com TEA durante o sarau com prosa teve uma repercussão positiva na comunidade. Por isso, temos a intenção de continuar a promover esse espaço de diálogo. Sabemos que a relação com as famílias demanda tempo. Demos a partida, mas é necessário articular e pensar em mais ações.

Projeto participante do curso Portas abertas para a inclusão. Esta experiência faz parte da Coletânea de práticas 2016.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais:
  • Bruna Rodrigues de Oliveira

    Ótima iniciativa!
    A Escola deu o ponta pé para que a família participe da escola junto com o estudante. Este problema é nacional e é necessário repensar nossa prática pedagógica para mudar a realidade.