Alunos aprendem sobre dinheiro com leitor de cédulas feito de papelão e sensores

Sou professora do ensino fundamental no Centro integrado de educação pública (CIEP) Marie Curie, no município de Duque de Caxias (RJ). A unidade está localizada em uma zona rural. Há pouco comércio na região e, talvez por esse motivo, muitos estudantes não sabem lidar com dinheiro. Alguns não reconhecem o valor das notas, outros têm dificuldades em conferir o troco. Observando essa situação, decidi criar uma atividade com um material pedagógico acessível chamado Jogo das cédulas – uma espécie de leitor de notas feito com uma caixa de papelão e sensores.

Este vídeo conta com legendas em português, audiodescrição e Libras.

O recurso foi utilizado em uma classe regular de 5º ano, formada por 16 alunos. Um garoto da turma era cego e outros dois tinham deficiência intelectual. Na atividade proposta, as crianças encaixavam uma pequena placa, que imitava uma nota de real, sobre a caixa. O leitor, então, mostrava a quantidade de luzes correspondente ao valor. Se elas colocassem uma “cédula” de cinco reais, por exemplo, cinco luzes acendiam. As notas, que eram de 2, 5, 10 e 20 reais, tinham marcação em braille.

Mercado inclusivo

produtos de mercado como farinha, açúcar e macarrão estão sobre uma grande mesa dentro de uma sala de aula. Os alunos está em pé ao redor.
Para aproximar o aprendizado de matemática da realidade dos estudantes foi montado um mercado em sala de aula.
Para a atividade, criamos um mercado em sala de aula, como forma de recriar a realidade desses estudantes, que costumam, por exemplo, ir à padaria a pedido dos pais. Eu trouxe de casa alguns alimentos, como biscoitos, arroz, açúcar. Eles ajudaram a arrumar os produtos e a colocar os preços.

Em seguida, os alunos escolheram os papéis com que gostariam de iniciar a dinâmica: cliente, caixa ou empacotador. Eles se revezavam nas tarefas, porque achei importante que vivenciassem as diferentes situações. Com isso, aprenderam, também, a se colocar no lugar do outro.

+ Aprenda a construir o Jogo das cédulas

Durante a atividade, o Jogo das cédulas contemplou diferentes níveis do entendimento da matemática. O Carlos e o Paulo, ambos com deficiência intelectual, encaixavam a cédula na caixa, viam o valor impresso nela e conferiam se o mesmo número de luzes acendiam na caixa. Já Vitor Hugo, que é cego, identificava o valor pelo braille. Os estudantes também manusearam e aprenderam com ele sobre esse sistema de escrita. Dois alunos ficavam no caixa para fazer as contas e verificar o troco. Se um errava, o outro corrigia: “Não, olha aqui, é tanto com tanto”.

Do abstrato para o real

Uma das dificuldades da matemática é que ela se torna, muitas vezes, abstrata demais. É essencial ter em sala de aula uma experiência como a do jogo, para fazer a criança vivenciar o concreto e trazer o que ela aprende na escola para sua realidade, preparando-a, principalmente, para a vida cotidiana. Fazer com que vejam a questão do preço como algo real, não como um número no quadro.

Dois garotos estão sentados em carteiras escolares. Eles manuseam o leitor de cédulas feito de caixa de papelão e as notas.
Os alunos se revezaram nas tarefas de caixa, empacotador e cliente.
Muitos disseram ser ludibriados quando vão comprar alguma coisa. Eles comentaram que, mesmo com o uso da tecnologia no mercado, os caixas fornecem troco errado. Uma garota contou que certa vez faltou luz na loja em que estava e que a pessoa não sabe dar o troco. Expliquei para eles que até uma calculadora pode errar, se a bateria estiver fraca. Por isso é importante saber fazer contas e ter acesso a atividades concretas desde cedo.

Quanto é o ingresso, por favor?

Trabalhei com os estudantes o sistema monetário, a questão do arredondamento quando não havia moeda. Eles também praticaram as quatro operações, calcularam de cabeça, utilizaram os dedos para contar e outros usaram lápis e papel. Ainda, exercitaram a leitura e a escrita ao produzirem as plaquinhas de preço dos produtos, escreverem o “R” e o cifrão e usarem a vírgula para os centavos.

Todos os alunos, com e sem deficiência, adoraram a atividade. Por meio dela, ampliaram o raciocínio, a oralidade, a leitura, a escrita. Gostaram tanto que quiseram repetir a dinâmica. Por isso, estou planejando levá-los ao cinema para colocarem em prática o que aprenderam. A proposta é eles irem à bilheteria para comprar os ingressos, conferirem o troco e anotarem as dúvidas que surgirem, para depois refazermos a situação na sala de aula. Tem até estudante que não está dormindo de tanta ansiedade porque vai ao cinema pela primeira vez.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: