Como o AEE pode desenvolver autonomia de um aluno desestimulado pela família?

Sou professora do atendimento educacional especializado (AEE) e atendo um aluno com Síndrome de Asperger que não aceita nenhum material didático e parece não ter sido estimulado. Em sua sala regular do 7º ano, ele só fica debruçado na carteira, não tem nenhuma participação nas aulas, não se comunica. Segundo a escola, o estudante sempre foi assim e os pais deixam e ainda o tratam como um bebê. Mas quero e sinto a necessidade de fazer algo diferente e mostrar aos pais que o aluno é capaz de muito mais. O difícil é ele aceitar a registrar algo. Ele não pega no lápis e quando é para escrever no computador ele não faz: emburra e fica assim até a hora de ir embora. Ele gosta de pesquisa, mas não aceita registrar o que pesquisou, pois não é alfabetizado. Faz um mês que o incentivo a pintar um quadro para a mamãe, mas não adianta, ele não aceita. Será que ainda não sei trabalhar com alunos que a própria família não dá a assistência necessária? O que faço? Sou psicóloga há muito tempo, mas em sala de aula o trabalho precisa ser outro e não como paciente.

Atendimento educacional especializado (AEE)
Por Equipe DIVERSA
Olá! Agradecemos pela confiança em dividir sua dúvida. Acreditamos que a troca de experiências entre pessoas envolvidas com o atendimento de estudantes com deficiência na escola comum é essencial para a construção de uma educação cada vez mais inclusiva. Por isso, sua contribuição é muito importante para a Comunidade Diversa. Nesse momento, estamos buscando pessoas e referências que possam te ajudar. Enquanto isso, sinta-se livre para explorar os estudos de caso, os relatos de experiência e os artigos de nossa biblioteca. Continue nos contando suas descobertas sobre o tema da educação para todos!
Conhece alguém que pode responder? Compartilhe um link para a pergunta.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: