Paradigmas históricos

Historicamente, as pessoas com deficiência foram totalmente excluídas das redes de ensino ou, quando muito, tiveram acesso parcial à educação. O acesso se dava a partir dos modelos de segregação ou integração. No primeiro, o estudante com deficiência era atendido por uma instituição educacional apartada do ambiente da escola comum, denominada “escola especial”. No segundo, o aluno frequentava uma sala de aula inserida dentro de uma escola comum, porém, exclusivamente destinada a pessoas com deficiência. É o que chamamos de “sala especial”.

Os dois modelos admitiam outras variações quanto ao modo de atendimento, mas em ambos os casos os serviços eram desenvolvidos pela área da educação especial, até então estruturada como uma modalidade substitutiva do ensino comum. Como resultado, o referido estudante era privado do processo de aprendizagem em um ambiente de contato contínuo com os demais alunos, sob a alegação de que isso garantia um atendimento de maior qualidade. A evolução do campo dos direitos humanos trouxe à tona o paradigma da inclusão. Essa proposta é orientada pelo direito que todos os estudantes têm de frequentar a sala de aula comum juntos, aprendendo e participando, sem nenhum tipo de discriminação.