Famílias

Envolver as famílias no planejamento e desenvolvimento das atividades escolares ajuda a construir escolas mais inclusivas para todos.

Relações com as famílias

As relações com as famílias, ou com os responsáveis legais pelos estudantes, são um elemento fundamental para o processo de inclusão escolar. Elas devem estar contempladas no planejamento e no desenvolvimento de todas as atividades escolares. Ao mesmo tempo, precisam ser pautadas por cooperação e apoio mútuo.

várias maneiras de configurar espaços de diálogo entre as escolas e as famílias. Independentemente do formato, é fundamental que tenham como objetivo a participação e a aprendizagem de cada estudante, em um ambiente caracterizado pelo convívio entre as diferenças.

No Colégio Estadual Coronel Pilar na cidade de Santa Maria (RS), por exemplo, o processo de inclusão da jovem Renata Basso foi marcado pelo protagonismo de familiares nas atividades escolares. Veja como escola e família estabeleceram essa relação..

Este vídeo conta com legendas em português, inglês e espanhol (ativadas na barra do player) e está disponível em versões com audiodescrição e Libras.
Saiba mais sobre o papel da família na construção de uma cultura de respeito às diferenças na escola

Qual a melhor escola para o meu filho com deficiência?

Na verdade, não há uma escola já “pronta”, ideal para incluir qualquer estudante com deficiência. A ideia de que as escolas deveriam se preparar antes de receber certos estudantes é um mito. Até mesmo as instituições mais conceituadas ou reconhecidas como inclusivas nunca estarão prontas. Sempre haverá um estudante cuja chegada trará novos desafios e aprendizados.

Leia também:
+ Meu filho tem deficiência e precisa ir à escola, e agora?
+ Há um preparo necessário para incluir um estudante com deficiência?

A “melhor escola” para qualquer estudante, com ou sem deficiência é, a princípio, a mais próxima de sua residência. Ou, no caso da rede privada, aquela que a família escolheu. E ela só poderá se tornar, de fato, “a melhor”, se a aprendizagem for perseguida de forma ampla, colaborativa e para muito além do diagnóstico. É fundamental que todos os agentes (profissionais docentes e não docentes) diretamente envolvidos com o aluno, a família e ele mesmo participem de um ambiente caracterizado pela valorização das diferenças, onde todos têm a ensinar e aprender.

Lembrando que uma escola em que a pessoa com deficiência possa se desenvolver não é somente um desejo da maioria dos pais ou responsáveis, mas um direito garantido na Constituição federal. A Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência tem status de norma constitucional no Brasil e destaca o direito a um sistema educacional inclusivo em todos níveis. Direito que não se restringe à matrícula e à presença, mas também à plena participação em igualdade de condições. Assim, qualquer escola pública ou privada que não oferece um ambiente e uma estrutura necessária para a plena participação de qualquer estudante está violando um direito humano.

A ESCOLA INCLUSIVA VÊ O ALUNO ALÉM DO DIAGNÓSTICO

O que fazer quando a escola se recusa a matricular um aluno com deficiência?

Nenhuma escola pode se recusar a aceitar qualquer pessoa com deficiência ou com características que se sobressaiam em relação a um suposto padrão considerado como “normal”. O direito de frequentar a escola e participar plenamente de todos os aspectos da vida escolar é assegurado em lei. A Lei brasileira de inclusão (LBI) determina que o acesso de crianças e adolescentes com deficiência à educação não pode mais ser negado, sob qualquer argumento, tanto na rede pública quanto na privada.

A lei proíbe, ainda, a cobrança de qualquer valor adicional nas mensalidades e anuidades para esse público. E não se trata só de acesso. A Convenção da ONU sobre os direitos da pessoa com deficiência garante participação efetiva, sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, para o pleno desenvolvimento do potencial do aluno.

Apesar de a recusa de matrícula representar crime, acreditamos que a busca pelo estabelecimento de parcerias seja, na maioria dos casos, mais efetiva que o confronto. Sugerimos esgotar todas as tentativas de diálogo a fim de estabelecer uma relação de parceria com a instituição, ajudando-a a entender que todos podem sim participar e aprender. O apoio de atores externos à escola, sejam eles pessoas ou organizações, pode ajudar os educadores a encontrar as respostas que buscam. Os princípios da educação inclusiva podem ser um bom começo de conversa.

Se, no entanto, as tentativas de diálogo com a escola se esgotarem, uma alternativa é contatar a área de educação inclusiva da Secretaria de Educação do município e, oportunamente, o Ministério Público (MP).

Participe da discussão sobre recusa de matrícula no fórum da Comunidade DIVERSA

Como família e escola podem agir juntas em caso de bullying?

O bullying surge da não aceitação da diferença, enquanto a educação inclusiva pressupõe o reconhecimento da diferença como um valor intrinsecamente humano e o direito de cada um ser como é. A Convenção da ONU sobre os direitos da pessoa com deficiência, que no Brasil tem equivalência de emenda constitucional, exige que a escola se organize de modo a garantir o pleno desenvolvimento do potencial dos estudantes, o que inclui “o respeito à sua dignidade”. Ou seja, o bem-estar dos alunos com deficiência na escola é um direito garantido em lei.

Na prática, muitas escolas ainda vivem sob a ótica da normalização, o que também prejudica os alunos que não apresentam deficiências, mas que têm diferenças óbvias entre si. Há uma cultura de estranhamento e exclusão ao que é diferente. Ou seja, não se trata de uma questão marginal, mas sim, de uma mudança cultural urgente e necessária a ser assumida como meta prioritária pela gestão escolar.

Um grupo de estudantes está sentado em círculo em uma quadra. Um aluno segura uma bola e anda em volta do círculo.
Em Cianorte (PR), o preconceito foi abordado de forma interdisciplinar – até na educação física. Leia o relato dessa prática

É preciso incluir tal objetivo no projeto político-pedagógico da escola e direcionar todas as ações no sentido de alcançá-lo.

A experiência do Colégio Estadual Igléa Grollmann, em Cianorte (PR), por exemplo, indica que esta questão pode até ser incorporada no currículo. Após a chegada de dois estudantes – um com autismo e outro com Síndrome de Down – os professores articularam os conteúdos sobre diversidade do ensino médio para combater o preconceito. Saiba mais.

Ainda que a direção escolar não tenha experiência com esse tipo de problema ou não saiba como resolver a situação, ela não precisa e nem deve fazer isso sozinha. Com uma gestão democrática, a escola cria um ambiente de aceitação que fomenta o estabelecimento de uma cultura da diferença. Ou seja, é fundamental que a escola e as famílias unam esforços, estabelecendo uma relação de parceria cooperativa e de apoio mútuo.

Crianças com deficiência são mais frágeis que as outras?