Educação física e inclusão: dicas e experiências para inspirar professores

Quatro estudantes participam de uma partida de bocha em duplas. Um dos estudantes tem deficiência física e usa uma cadeira de rodas. Sua parceira de time segura uma calha para auxiliá-lo a jogar a bola sobre a pista.
Educação física é poderosa ferramenta para incluir estudantes com deficiência, transtorno do espectro autista (TEA) e altas habilidades/superdotação na escola comum.
Nesta quinta-feira, 1º de setembro, comemora-se o Dia do Profissional de Educação Física. Em 1998, neste dia, a Lei nº 9.696 entrou em vigor em todo o país, regulamentando a profissão e criando os conselhos federais e regionais. Na escola, além de desenvolver competências afetivas, cognitivas e sociais nos estudantes, a educação física pode ser uma poderosa ferramenta de inclusão.

Para celebrar a data, o DIVERSA selecionou algumas dicas e experiências para motivar professores a criar atividades esportivas que possam ser praticadas em conjunto por alunos com e sem deficiência. Confira!

Estratégias pedagógicas para a Educação Física inclusiva
Identificamos as pessoas com deficiência por suas limitações ou potencialidades? Fernanda Pedrosa, vencedora do Prêmio Educador Nota 10, conta como a educação física pode ajudar a converter a dificuldade em ponto de partida para o desenvolvimento de todos.

Miniatletismo inclusivo: autonomia para criar movimentos
Sem o rigor da técnica e respeitando os limites e potenciais de cada um, o atletismo é praticado por todos estudantes na Escola Municipal Professora Terezinha Souza, em Belém (PA). A regra é não deixar ninguém de fora.

Rugby para todos: jogando com as diferenças
Em São Paulo (SP), os alunos da EMEF Água Azul – Professor Paulo Renato Costa Souza criaram suas próprias regras para que colegas com paralisia cerebral, baixa visão e deficiência intelectual também participem de jogo de Rugby.

Capoeira resgata autoestima de alunos excluídos da educação física
Professores e gestores da Escola Municipal Hilberto Silva, em Fortaleza (CE), passaram a ocupar o horário de intervalo entre as aulas com um jogo de capoeira para todos, onde o que importa é acompanhar a música e entrar na roda.

Bocha inclusiva incentiva protagonismo de aluno com deficiência física
Com uso de materiais simples e alterações nas regras originais, escola de Belo Horizonte (MG) cria versão inclusiva da bocha e tira garoto com tetraplegia da posição de mero espectador das aulas de educação física.

Quer se inspirar ainda mais? Confira outras atividades físicas inclusivas no DIVERSA!

Compartilhe este conteúdo com seus amigos.
Comente ou compartilhe nas mídias sociais: